Close

terça-feira, junho 28, 2022

Ufologia

Círculos nas plantações

8 de abril de 2018

Círculos nas plantações

Carl Sagan, astrônomo norte-americano que faleceu faz pouco tempo, escreveu o livro “O Mundo Assombrado Pelos Demônios : a ciência vistacomo uma vela no escuro”, no qual ele defende a importância do discernimento e da busca da explicação lógica para os fenômenos, além de mostrar preocupação com o espaço ocupado, nos meios de comunicação, pelas explicações “não-científicas” (que alguns cientistas chamam de pseudociências). Acho que explicações fáceis são dignas de desconfiança, independentemente de suas fontes. Tanto faz ser cientista ou não.

No capítulo 4 (Alienígenas), ao falar sobre os Círculos nas plantações (página 83 em diante) diz o seguinte:

“A saga dos círculos nas plantações demonstra como são modestas nossas expectativas sobre os ‘alienígenas’ e inferiores os padrões que muitos de nós estão dispostos a aceitar. Originando-se na Grã-Bretanha e espalhando-se por todo o mundo, tratava-se de um fenômeno mais do que estranho. (…)”

Sagan diz que o fenômeno foi tomando proporções maiores gradativamente nas décadas de 70, 80 e 90. Fala também sobre o envolvimento de alguns cientistas que tentavam explicar o fenômeno, e cita ainda algumas hipóteses que foram levantadas, inclusive por adeptos da ufologia.

 

“O número de círculos nas plantações atingiu a casa do milhar. O fenômeno se espalhou para os Estados Unidos, Canadá, Bulgária, Hungria, Japão, Holanda.(…) Em 1991, Doug Bower e Dave Chorley, dois sujeitos de Southampton, anunciaram que vinham fazendo as figuras nas plantações havia 15 anos. Eles imaginaram a brincadeira ao tomarem cerveja preta certa tarde no seu ‘pub’ habitual, The Percy Hobbes. (…) No início, achatavam o trigo com a pesada barra de aço que Bower usava como tranca na porta dos fundos de sua loja de molduras. Mais tarde, empregaram pranchas e cordas. (…) De repente, os círculos nas plantações se tornaram populares. Os ufologistas cairam como patinhos.”(sic)

 

Carl Sagan diz que conforme iam crescendo as explicações e o interesse pelos círculos, Doug e Dave iam fazendo círculos cada vez mais elaborados e misteriosos. Diz também que, aos poucos, foram surgindo imitadores e que chegou um ponto em que Doug e Dave se cansaram da brincadeira, não só pela idade (estavam beirando os 60 anos) mas também porque estavam incomodados com a fama e a fortuna acumulada por aqueles que apenas fotografavam a arte dos dois brincalhões e depois afirmavam tratar-se de coisa de alienígenas.

“Muitos têm ouvido falar dos pictogramas nos grãos de cereais e de sua alegada conexão com os UFOs, mas lhes dá um branco quando se mencionam os nomes de Bower e Chorley ou a própria idéia de que toda a história não passa de uma brincadeira.”

Texto cedido por Paulo Duarte

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rua Dr. José Afonso de Melo, N° 118, Sala 820 – Jatiúca, Maceió – AL. CEP 57.036-510.

*Site sem fins lucrativos

O homem consciente é verdadeiramente livre. Ele sabe que não sabe.

Louis Pauwels

Copyright © 2020. Detetive do Improvável. Todos os direitos reservados.