Close

terça-feira, junho 28, 2022

Ufologia

Happy Camps

8 de abril de 2018

Happy Camps

Raramente é possivel , encontrar um episódio isolado, genuinamente, onde todas as facetas do
fenomeno OVNI se concentrem. Happy Camp constitui um verdadeiro laboratório do problema
estudado, além de ter oferecido a oportunidade para uma experiencia direta, embora breve , do
fenomeno. Ele também mostra um caso raro de sequestro multiplo.
Happy Camp é uma pequena cidade madeireira na fronteira setentrional da Califórnia, a cerca de 60
quilometros do Estado de Oregon. Uma unica estrada , seguindo de leste para oeste, atravessa a
cidade, a 100 quilometros da via expressa que liga os dois Estados. A cidade tem um bar e um café .
Localiza-se em um cenário magnifico, com regatos que descem da montanha, florestas de pinheiros e
sequóias e canions profundos. As serrarias servem como principal ocupação profissional. A maior parte
das testemunhas de OVNIs trabalham direta ou indiretamente para as serrarias. Existem muitos indios
na área . Vale destacar , também, que o principal meio de transporte é a caminhonete com tração nas
quatros rodas . Os moradores locais comunicam-se através de rádios faixa cidadão, e geralmente
carregam rifles nos veiculos.

 

Soube do caso no final de 1975, através de quatro independentes, inclusive um representante regional da Mutual UFO Network (Rede Mútua de OVNI — MUFON ) , que visitou o local . Posteriormente artigos razoavelmente factuais surgiram nos jornais de San Francisco . Contudo, os pesquisadores suspeitavam que algumas testemunhas não revelaram a história toda. Na metade de 1978, quando o interesse pelos eventos diminuiu e Happy Camp voltou a rotina da vida, carreguei meu Cheyenne com equipamentos e viajei até o local , o que demorou um dia inteiro. Tres investigadores tarimbados — Paul Cerny , Tom Gates e Mark Uriate — seguiram comigo. repassamos os fatos divulgados a respeito do caso.
No dia 25 de outubro de 1975 , dosi eletricistas da serraria , Stan Gayer , na época com 19 anos , e
Steve Harris , então com 26 anos , estavam em uma caminhonete , na área de Shivar Saddle m testando
seus rádios faixa cidadão , quando viram dois objetos em forma de estrela, excepcionalemte brilhantes.
Um dos objetos moveu-se subitamente para a parte superior da montanha , oscilando como se “lutasse
conta o vento”. Depois desceu , caindo como “uma ponta de charuto acesa ” . Seu brilho era
avermelhado . Eles seguiram adiante e em seguida viram um objeto grande, vermelho, brilhando no solo , na encosta do monte Cade.

 

Dois dias eles retornaram ao local, com um terceiro homem, oficial mecânico , que se considera um “cético interessado” no assunto. Eles estavam equipado com um detetor de metais e uma lanterna .
Conhecedores da montanha, exploraram a área , encontrando uma pilha de material estranho , parecido com mica, no local do primeiro pouso, e continuaram a procurar outros sinais . A mica , ao ser
analisada, não passava do tipo comum , usado em antigos fogões a lenha.
Eles não esperavam encontrar um par de olhos prateados no meio do mato, nem ouvir um som de sirene . Iluminaram o local com a lanterna , mas não conseguiram ver absolutamente nada , apenas escuridão , onde deveria haver moitas e arbustos. Neste momento, eles consideraram que seria mais prudente voltar para a caminhonete e retornar à cidade , onde contaram a história para um estudante de 17 anos e para Helen White , que se transformou na protagonista principal dos eventos
subsequentes.

Na época das visões, Helen White estava com 62 anos . Ela morava em Happy Camp desde 1949,
tendo trabalhado durante dezenove anos na serraria . Um reporter a descreveu bem dizendo que “usava
óculos, tinha olhos meigos e uma mecha de cabelos grisalhos que lhe davam um ar de vovó , o que
realmente era “.
Este grupo de cinco pessoas tão diferentes resolveu ir novamente resolveu ir novamente até as
montanhas. Ao chegar no local onde os olhos haviam sido avistados , Steve Harris ficou um tanto
nervoso . Por frustração, ou em uma tentativa de impressionar os outros , ele começou a disparar a esmo, contra as moitas , sem dúvida um modo pouco convencional de se investigar um fenomeno desconhecido. Embora eu não aprove este método, sou forçado a admitir que era uma maneira eficiente de assustar qualquer pessoa que estivesse fazendo uma brincadeira, protegida pelas moitas de uva-ursina.
Ao invés de gozadores ou fraudadores , as cinco testemunhas viram duas silhuetas , usando capacetes
como a de soldadores circundadas por uma luz peculiar. O som de sirene foi ouvido novamente. Helen White , que portava sua camara , foi incapaz de tirar uma foto .

 

As criaturas aproximaram-se parando a uns 15 metros do grupo . As pessoas sentiram um calor estranho no ar. Steve recorda-se de ter tossido , como se o ar estivesse pesado demais para se respirar.
— Era como uma sauna , ou um banho turco, onde o ar fica quente , só que muito pior — disseHelen White comparou s sensação a um aperto no peito . Steve pensou que estavam sendo atingidos por gás. O grupo fugiu em pânico, perseguidos durante a descida da montanha por um objeto vermelho luminoso. O evento principal ocorreu cinco dias depois , a 2 de novembro de 1975, com os mesmos protagonistas ( Steve, Stan e Helen ) , e duas outras pessoas que passavam de carro por uma
estradinha de terra no canion, no sopé do monte Cade. Eles ainda estavam tentando encontrar uma explicação para o que viram , e exploravam a área de maneira mais ou menos sistemática.
No canion , entretanto, passaram por um trecho coberto de neblina densa, que os forçou a recuar , e
todos se confundem com relação aos eventos subsequentes. Eles se lembram de que pedras imensas
caíram do alto do canion, dos lados da caminonete. Eles se recordam de que as portas foram abertas, e
um ser estranho surgiu, dizendo a Steve , que empunhavam a arma:
— Não vai precisar disso.
Eles acreditam ter visto um objeto pairando no ar. Helen lembra , inclusive , de ter sido conduzida para
uma sala , mas não tem certeza da sequencia temporal dos acontecimentos . Um dos ocupantes
manteve um dialogo com ela, no decorrer do qual descreveu um objeto transparente , dizendo que era
de ouro. Helen respondeu que conhecia o aspecto do ouro , e certamente não era transparente. O ser
respondeu apenas : “Existem coisas como um ouro através do qual se pode ver. Está em sua Bíblia”.

Steve acredita que esteve em um aparelho com uma janela transparente no topo, através da qual pode
ver a montanha China. A lembrança seguinte , a nivel consciente , foi de que se encontravam na
caminhonete , descendo a montanha , cantando uma antiga canção religiosa. Eles entoavam , todos
juntos , o hino Há Poder no Sangue do Cordeiro.
Depois deste incidente principal , diversas testemunhas tiveram visões na área, até a época de nossa
visita. Tais incidentes incluem outros episódios com neblina esquisita contendo um humanóide, sons
agudos tão penetrantes que incomodaram as testemunhas e diversos tipos de objetos esféricos ou
oblongos sobrevoando a cidade , por vezes perseguidos tenazmente por um jato da Força Aérea
americana.

No dia 8 de fevereiro de 1976 , dois dos meus amigos pesquisadores encontravam-se em Happy Camp,
entrevistando testemunhas , quando ouviram uma pessoa , na faixa do cidadão , relatando a presença
de uma luza alaranjada sobre Slater Butte. Eles viram a luz sobre a montnha , descendo e subindo duas
vezes . O objeto era brilhante , laranja-escuro , e seu fulgor lembrava o de “um fogo na floresta , atrás
do morro”.
No outono de 1977 duas pessoas , na Estrada de Benjamin Creek, viram um pinheiro Douglas ser
partido em dois, enquanto uma força desconhecida puxava a perua deles, em marcha a ré, por mais de
15 metros. Os ultimos 25 metros da imensa arvore foram atirados a 20 metros de distancia , e uma
esfera branca brilhante sobrevoava a área. Uma das testemunhas , profundamente abalada com o
incidente , recusava-se a voltar ao local.
Meus amigos e eu chegamos a Happy Camp numa sextafeira, dia 23 de junho de 1978, e nos
hospedamos em um hotel apropriadamente batizado de Rustic Inn. Embora eu ( Jacques Vallée )
esteja familiarizado com as estradinhas da Califórnia , do deserto de Mojave a Yolla Bolly, até a costa de
Mendocino, devo admitir a imensa beleza da região do rio Klamath , que combina precipicios rochosos
com matas baixas e florestas magnificas , tirando o folego de qualquer um.
Jantamos no unico restaurante da cidade , o Lois Café . Diversas testemunhas locais aproximaram-se
de nossa mesa e se apresentaram . Conhecemos Lorraine, que em companhia da filha vira um aparelho
em forma de disco no dia 6 de setembro de 1977.
— Estava todo iluminado — disse Lorraine.

Pat, uma senhora com seus 40 anos, muito animada , sentou-se e disse que estava intrigada com uma
série de eventos tipo “poltergeist”, ocorrido na época das visões. Certa noite ela escutou passos
pesados no forro da casa. Em outra , viu um imenso pássaro voando, iluminado pela luz da rua. No dia
17 de julho de 1977 , ela avistou uma esfera luminosa perto da cama , e na manhã seguinte descobriu
que todas as portas da casa encontravam-se escancaradas.

Durante os dois dias seguintes inspecionamos toda a area , inclusive o pinheiro Douglas na estrada de
Benjamin Creek . Os lenhadores não perderam tempo, retirando a parte aproveitável da madeira. A
parte superior da arvore, contudo, ainda continuava na ravina , do outro lado da estrada. A noite estava
calma, no momento do incidente, sem tempestades ou nuvens de trovoada.
Também visitamos o local do sequestro , seguindo pela estradinha que leva ao canion Realente , há um
penhasco ingreme do lado oeste , as pedras poderiam ter caído na estrada e na área vizinha. Mark
encontrou no local filamentos prateados de um material resistente, semelhante a cabelo, parecido com
as fibras encontradas em Colusa. Fibras identicas também estavam presentes no local de um terceiro
caso de contato imediato em Happy Camp . Apesar de nossas esperanças de haver encontrado um
elemento comum a diversos casos envolvendo entidades, o exame posterior feito em microscópio , por
um laboratório da policia técnica , mostrou que o material não era anormal.
O objeto em forma de disco , avistado por Helen, Stan e Steve, havia pairado sobre as moitas , perto de
uma curva fechada da estrada. Neste local , como em diversos outros que visitamos, notamos um toque
violento , emdesacordo com a beleza plácida da floresta. Encontramos cartuchos detonados nagrama, e
muitas placas da estrada estavam cheias de furos de tiros, algumas praticamente ilegíveis. Só nos
restava meditar sobre as fustrações e a necessidade de se demonstrar poder sobre a natureza que
provocavam tais violencias. Talvez isso fosse exarcebado pela magnificencia da paisagem, pelos
penhascos e grotas profundas, pelo céu imenso. O ser humano pode facilmente se sentir encurralado,
insignificante. Caso esta interpretação seja correta, ela é relevante para a analise do terror e do fascínio
provocados pela visão dos OVNIs , e com os confrontos com seres altos , que não se intimidaram com o
rifle de grosso calibre de Steve. Também vale notar que as montanhas vizinhas abrigam , segundo
relatos, uma estranha criatura parecida com um macaco ou com o Sascuatch canadense. Há ainda
lendas locais sobre o Puduwan, um ser estranho com poderes paranormais.

 

As testemunhas entrevistadas em profundidade confessaram que ocorreram muitos incidentes que não
foram relatados. A primeira visão na área havia sido relatada por um policial, Dick McIntyre , que
posteriormente desmentiu e negou sua história. A maioria das testemunhas preferiu se calar ,
soubemos, depois da publicação de um artigo de página inteira sobre Happy Camp no San Francisco
Chronicle. Vários policiais rodoviários foram seguidos por estranhas luzes na região, mas não
comunicaram oficialmente o fato.
Entre os casos não revelados está a visão do filho de Lorraine: um objeto grande , brilhante , de cor
azulada como aço , com uma luz vermelha. Objetos menores voavam em torno dele, de um modo que
lembrava as visões de “charuto de nuvem” descritas por Aimé Michel . Tivemos um encontro com Helen
White, e a oportunidade de conversar com ela longamente, enquanto assistíamos ao jogo de beisebol
amador do qual seu neto participava. Ela fornecu detalhes dos incidentes, confirmando e explicando
diversos aspectos das observações . Ela insistiu, na entrevista , que no momento do sequestro “tudo
acontecia em camara lenta”.
Outros aspectos do episódio me intrigavam, pois não pareciam fazer muito sentido . Durante o
sequestro ela conversou com um homem vestido com uma capa longa, flutuante. Estavam no meio de
uma avalanche de pedras.
— Cuidado com as pedras ! — Ela alertou o ser.
— Não se preocupe, pedras não podem me ferir — foi a resposta.
Ao subir para o objeto, ela sentiu que uma luz a banhava. Queria levar algo , como prova, e recebeu
permissão para tanto. Mais tarde os seres a proibiram de levar qualquer coisa, ela reclamou, frustada:
— Voces mentiram para mim.
O ponto mais enigmático da experiencia foi o tamanho do objeto. Como no caso da Sra. Victor , o
aparelho para onde Helen White foi conduzida era maior do lado de dentro do que de fora. Embora os
engenheiros aeronáuticos possam zombar de uma constatação tão bizarra, os leitores topologistas
podem ficar tão intrigados quanto eu pelas possiveis interpretações que se descortinam. Se existirem
mais de quatro dimensões , como muitos físicos teóricos atualmente suspeitam , cabe especular : uma
hipernave, capaz de inversão topológica em nosso espaço-tempo contínuo pode muito bem ser maior
por dentro do que por fora.
Naquela noite transferimos para nossa caminhonete os equipamentos trazidos de São Francisco por
Tom Gates e Paul Cerny e seguimos para o local da visão , parando primeiro em Saddle, indo depois
para o ponto mais alto na trilha , antes de fazer o retorno.
Era 23h15 quando o avistamos. Tratava-se apenas de uma luz brilhante, branca , com reflexos
vermelhos, e a visão não durou mais do que dez segundos. A luz estava bem na nossa frente, vários
quilometros além do vale, na encosta do monte China, um local onde nenhum veículo conseguiria
chegar. Infelizmente a visão foi curta demais para permitir que parassemos e mostassemos o telescópio
de Tom. A luz permanece como um detalhe imprevisto em nossa investigação.

 

Os eventos de Happy Camp incluem sequestro, neblina sufocante, pássaros imensos , pequenosa seres
com capacetes , perseguições realizadas por jatos, “poltergeists” , anomalias gravitacionais e arvores
derrubadas. Partindo de uma cidade isolada , que nem sequer tem um cinema, esta concentração de
casos é notavel. Mas não estaria completa sem o episódio do Homem de Preto. Assim sendo, fiquei
quase aliviado ao saber que no inicio de 1976 um estranho, que jamais estivera na cidade , entrou no
Lois Café . Helen e Pat encontravam-se lá, jantando calmamente em mesas diferentes.
Todas as conversas cessaram quando o sujeito entrou. Ele pediu um filé, mas não sabia usar garfo e
faca, e acabou saindo sem pagar , o que o tornou inesquecivel para a população local. Pat declarou
que ele tinha pele pálida e olhos “orientais” . Usava uma espécie de camisa estranha , e não possuia
casaco, embora estivessem no meio do inverno americano. Sorria constantemente para as pessoas , de
um modo forçado , esquisito. Entre as atitudes peculiares que tomou durante seu jantar extraordinário ,
inclue-se uma corajosa tentativa de beber um pote de gelatina.

Extraido do livro “Confrontos” de Jacques Vallée – Editora Best Seller

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rua Dr. José Afonso de Melo, N° 118, Sala 820 – Jatiúca, Maceió – AL. CEP 57.036-510.

*Site sem fins lucrativos

O homem consciente é verdadeiramente livre. Ele sabe que não sabe.

Louis Pauwels

Copyright © 2020. Detetive do Improvável. Todos os direitos reservados.