Close

terça-feira, junho 28, 2022

Ufologia

A Misteriosa Queda de um Objeto na China

8 de abril de 2018

A Misteriosa Queda de um Objeto na China

Talvez este seja um dos casos mais interessantes de toda a ufologia – mais interessante até que o célebre caso Roswell, ocorrido em 1947 nos Estados Unidos. A própria época do acontecimento – 12 mil anos atrás – é motivo de interesse e curiosidade.
A história circulou durante 35 anos, foi esquecida e agora está sendo levantada de novo pelo pesquisador alemão Hartwig Hausdorf, autor do livro “Satelliten der Goetter” (Satélites dos Deuses).
Diz a história que há 12 mil anos, numa remota área montanhosa da China, houve a queda de um estranho objeto, interpretado hoje como um óvni. Na época o caso foi relegado à ficção científica, porém estudos posteriores começaram mostrar aspectos reais e interessantes a respeito do assunto.
Esses primeiro indícios de que algo sério e estranho pode ter acontecido surgiram em 1938, quando uma expedição liderada pelo arqueólogo Chi Pu-Tei explorava os desfiladeiros de Bayan-Kara-Ula, na atual província de Xangai. O grupo descobriu algumas cavernas onde vários esqueletos estranhos estavam sepultados, todos eles de seres aparentemente humanos, mas com cabeças muito grandes e corpos pequenos, magros e frágeis.
Não havia epitáfios nas tumbas. No entanto, os exploradores encontraram 716 discos de pedra com gravações semelhantes a hieróglifos. No centro de cada um deles havia um pequeno buraco, de onde saia uma canaleta espiralada.
O professor Tsum Um Nui, da Academia de Ciências de Pequim, com a ajuda de 4 assistentes, tentou decifrar os hieróglifos durante quase 25 anos, sem sucesso. No começo dos anos 60, o professor Nui decidiu publicar um trabalho contando sobre a descoberta e sobre suas tentativas inúteis de decifrar as inscrições. A Academia de Ciências publicou a divulgação do trabalho.
Depois de muitas discussões – segundo relembra o pesquisador alemão Hartwig Hausdorf – o professor Nui conseguiu permissão para publicar seu relatório. Segundo o texto de seu trabalho, antigos seres, em chinês chamados “Dropa”, Eram viajantes espaciais que caíram nas montanhas de Bayan-Kara-Ula depois de um longo vôo. Um grande número desses seres morreram e os sobreviventes não conseguiram consertar a nave acabando por morrer também.
A comunidade científica considerou a história uma bobagem e o professor Tsum Um Nui passou a ser tratado como doido.

 

Hartwig Hausdorf realizou pesquisas na região e descobriu que na província de Xangai existe uma antiga tradição que fala de seres pequenos e feios, com grandes cabeças, que vieram do céu há muitos anos atrás. Até hoje os moradores locais têm medo de que pequenos seres possam surgir das nuvens para conquistar suas cidades.
Algum tempo depois, Tsum Um Nui emigrou para o Japão. Amargurado com as reações dos outros cientistas, morreu pouco depois de ter terminado um manuscrito complementar sobre os misteriosos discos de pedra.
Hoje, conta Hartwig Hausdorf, ninguém sabe o que aconteceu com os 716 discos. A última referência à existência deles aconteceu em 1974, quando o engenheiro austríaco Ernest Wegerer encontrou dois dele no Museu Banpo, na cidade de Xian. Os discos, segundo Wegerer, correspondiam exatamente à descriçãe3o feita pelo professor Tsum Um Nui, em 1962. Excitado com a descoberta, Ernest Wegerer procurou a diretora do museu e ela lhe informou que havia outros discos, mas que eles haviam sido confiscados pelo governo pois eram considerados “objetos de culto”.

De 1966 a 1976, Hartwig Hausdorf tentou remontar a história e descobrir os discos de pedra desaparecidos. Seu trabalho foi muito difícil, ele conta. A China havia sofrido muito com a Revolução Cultural Proletária: muitas pessoas haviam perdido suas vidas e um imenso número de objetos preciosos haviam sido destruídos ou confiscados.
Em 1994, o prof. Wang Zhijun, diretor do Museu Banpo, revelou a Hausdorf que realmente havia dois discos em exposição, em 1962, mas eles haviam desaparecido, ninguém sabe como.
Hausdorf promete fazer novas revelações e comprovações em um livro que está escrevendo a respeito desse misterioso Roswell chinês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rua Dr. José Afonso de Melo, N° 118, Sala 820 – Jatiúca, Maceió – AL. CEP 57.036-510.

*Site sem fins lucrativos

O homem consciente é verdadeiramente livre. Ele sabe que não sabe.

Louis Pauwels

Copyright © 2020. Detetive do Improvável. Todos os direitos reservados.