Close

segunda-feira, Maio 16, 2022

Lugares Estranhos

Navios-Fantasmas

8 de abril de 2018

Navios-Fantasmas

 

 

O Holandês Voador surge repentinamente nos mares: navio-fantasma, veleiro  diabólico,  barco maldito,
condenado  a  vagar  eternamente entre dois dos três cabos. Do cabo das Tormentas ao cabo Horne, com seu
satânico capitão Bernard Fokke ao leme, no meio da tempestade, envolto em relampagos, o veleiro fantástico
aparece entre duas enormes vagas,  prestes  a  desaparecer  entre  duas outras.  Lenda?  Certamente!  Mas  mesmo
assim os guarda-costas norte-americanos destru¡ram  267  navios-fantasma  em  1930  e outros apareeem
sempre. Trata-se dos destroços de navios naufragados? Sim, mas também de barcos inteiros.

Isso aconteceu especialmente no tempo da navegação a vela e não tem nada de fantasmagórico!  Talvez, mas
falamos de alguns barcos que navegam autenticamente   —   e toda  lenda tem seu fundo de verdade. Em abril de
1890, o Marlborough, com seus   três mastros,    sob as ordens do capitão Hid, foi visto nas imediações da costa
sinistra que separa o estreito de Magalhães das ilhas do  cabo Horne. Depois não se teve mais not¡cia dele. O
Marlborough foi considerado desaparecido. Exatamente em outubro de 1913, 23 anos mais tarde, o Marlborough
reapareceu na mesma região, com as velas levantadas. As grandes vagas , que provocam tremores  de terras
submarinos ,   atingem até 150 km de comprimento e se deslocam a uma velocidade de quase 800 km/h.

Nessas regiões, o mar pode invadir a costa  até dez metros por ano, provocando tempestades violentas. Pois bem,
durante 23 anos o Marlborough não foi destru¡do e suas velas continuaram intactas. Não se teria abrigado em
uma ba¡a e voltado ao mar mais tarde impelido por um vento da terra? Imposs¡vel. Se tivesse encalhado, as
autoridades chilenas ou argentinas teriam sido notificadas, pois os habitantes da Terra do Fogo eram
saqueadores tem¡veis, que precisavam de madeira, víveres e roupas. Ora, a carga do navio estava igualmente intacta.

Algumas pessoas subiram a bordo. As enxarcias estavam verdes, a ponte inteiramente podre, o diário de bordo todo
mofado. Um esqueleto foi encontrado segurando o leme, três outros em cima da coberta perto do quartel das
escotilhas, dez nos seus postos e seis no refeitório. Todos estavam vestidos normalmente;  todos  pareciam  ter
morrido em suas funções e ao mesmo tempo. Uma epidemia teria provocado um reagrupamento. Um
envenenamento é inadmiss¡vel, porque a tripulação não come às mesmas horas e também porque as reações dos
organismos são diferentes de indiv¡duo para indiv¡duo. Hoje  talvez  pensassemos  em  algum  fenomeno de
radioatividade, mas quem pode saber? 0 veleiro que descobriu o Marlborough afastou-se do navio-fantasma e
esse nunca mais foi visto.

Em  1873, alguns navegadores encontraram o C. Radorn, um barco de três mastros, com as velas  recolhidas.  A
bordo  reinava o  silêncio. A seu lado flutuava um outro veleiro de três mastros, em perfeito estado, habitado
unicamente por três magn¡ficos cães terra-nova que andavam de um lado para o outro do tombadilho. Nunca
mais se ouviu falar nesses navios nem em suas tripulações.

Outro caso famoso foi o do barco carregado de acaju que, com as velas levantadas entrou sozinho no ancoradouro do porto de Cork, na Irlanda. 0 casco não levava nome algum e não havia documentos a bordo. Ninguém reclamou esse navio anônimo. Em 1907, o Quevilly, de Rouen, encontrou os destroçs da escuna Everest Wabster, considerada perigosa. Pelo binóculo, tudo parecia deserto.  A proa estava mergulhada no mar, e tinha a coberta lisa, como um batelão. Algumas pessoas subiram a bordo e  encontraram,  nos  leitos  que  não  estavam
inundados, a tripulação  quase completa , desfalecida, faminta, e sem forças para fazer   sinais.

Como ocorre com os seres humanos , alguns navios agarram-se à vida e não aceitam morrer sem lutar até o fim.
O Ada Iredale  abandonado em chamas , foi encontrado oito meses mais tarde , ainda em combustão . O
petroleiro Oklahoma foi cortado em dois. A parte traseira afundou , enquanto a frente continuou flutuando  com
seu mastro na vertical. Foi  encontrado depois  ligeiramente inclinado, como um nadador que se prepara para uma
longa travessia. Um navio guarda-costas encheu-o de dinamite.  Ele  mergulhou    reaparecendo um pouco
adiante.  Dobraram    a quantidade de dinamite e depois triplicaram sem sucesso. Foi alvejado com um canhão de
12 polegadas. 0 petroleiro tornou a virar e flutuou de dorso para cima. À noite, finalmente, o Oklahoma dignou-se
afundar como um soldado exausto que entrega o último sopro. Os marujos corajosos conhecem bem essa
resistência inacreditável dos navios.

Em 195 1 ,  Kurt  Carlsen,  comandante  do Flying Enterprise , permaneceu sózinho, durante 13 dias, em
cima do costado do navio avariado.  No dia 26 de outubro de  1902, o barco de três mastros Tourny, da Marinha
francesa,  foi  assaltado por  uma tempestade no golfo de Valencia. Um navio de passageiros salvou a tripulação
com exceção de um unico homem. Esse, um marinheiro chamado Denis, escondeu-se voluntáriamente a bordo do

navio condenado. No dia 31  de outubro, à noite, o barco da Marinha francesa, Isére , encontrou o Tourny quc
flutuava com o costado na agua cerca de  140  milhas ao noroeste de Orã.

A bordo estava um homem que não queria abandonar  o navio naufragado.  Não podia ser salvo a menos que se
atirasse ao mar e o navio de guerra não podia correr o risco de aproximar-se muito. 0 Isére afastou-se e notificou
o caso ao porto mais próximo. No dia 8  de  novembro,  o  vapor  inglês  Syrian Prince tornou  a  avistar o
veleiro  flutuando. 0 mar estava calmo. 0 vapor sc aproximou. Denis  notificou o comandante que somente
aceitava   ser  rebocado  mediante  a  cláusula no cure , no pay  (o pagamento só seria feito caso o reboque fosse
bem sucedido). Denis recusou a corda pelo vapor , jogou ele  próprio uma corda e assumiu o leme do veleiro . 0
tribunal mar¡timo
concedeu-lhe um terço do valor de revenda do navio e de sua carga.  Denis ganhou  uma fortuna.

Assim , não há motivo para se admirar com as viagens inacreditáveis dos navios-fantasmas. O Dalgonar , deitado
no costado , com os mastros e a quilha em cima da água , percorreu mais de 5 mil milhas  no Pacifico. O Wyer
G. Sargent , abandonado em Halteras , percorreu 6 mil milhas em 18 meses antes de encalhar no estreito de
Gilbratar. O Leon White , abandonado junto à costa canadense , foi até a Irlanda , voltou ao Canadá e partiu
para as Hévridas , ou seja, 6.800 milhar em dez meses . Os destroços do Fanny E. Wolson , abandonados  perto
de Charleston, foram vistos um ano mais tarde nos Açores ; o navio naufragado voltou-se depois contra os
ventos dominantes no cabo Haiteras e dirigiu-se à Terra Nova , onde desapareceu.

Será que essa explicação basta? Talvez, mas mesmo  assim  ocorrem algumas  coincidências estranhas. Em  1931 , no extremo norte do Canadá , alguns caçadores construiram barracas nas margens e se prepararam para passar o inverno . Mas certa manhã perceberam , espantados , que o Baychino não estava mais no mar : tinha desaparecido com a carga.  Lastimando a mercadoria perdida , os caçadores chegaram por terra a Vancouver, onde ouviram contar que seu barco tinha sido visto nas ilhas Franklin , onde estava ancorado normalmente . Um mês mais tarde,  um explorador encontrou o barco , em perfeito estado , no mar de Beaufort , mas não pode retirar as peles . A tripulação  de uma escuna , depois alguns esquimós e outros caçadores , tentaram apropiar-se da carga , em uma região mais ao norte . Esses também não foram bem sucedidos .  O Baychino continua navegando até  hoje em alguma região do oceano Ártico. Como um cão fiel, ele  se afasta dos que não são seus verdairos donos.

0 Rescue   —    antigo navio polar   —    foi cedido  como navio-armazém  ao George-Henry , baleeiro em
expedição no estreito de Hudson. Em um dia de tempestade , em setembro de 1880 , o Rescue perdeu os mastros
e rachou ao meio. A tripulação foi levada para bordo do George-Henry , que prosseguiu sua atividade .  Um ano
mais tarde , o George-Henry encontrou-se diante do Rescue que não havia afundado e que parecia seguir uma
rota , em vez de navegar à deriva . Logo depois ele desapareceu . Nova tempestade , grandes pedaços de gêlo e, de
repente, o Rescue surgiu , impedindo a passagem do George-Henry. O baleeiro , cercado pelos icebergs, não
pode manobrar. O Rescue  avançou em sua direção. Como um fantasma, o Rescue parecia completamente livre
em seus movimentos . Ia abalroar o outro navio mas passou a alguns metros da popa. Naquela noite  os
marinheiros estavam nervosos  e discutindo quando, subitamente , o Rescue tornou a surgir . De novo se
aproximou do baleeiro e os marinheiros começaram a perder a cabeça . O navio condenado os perseguia! O
comandante só conseguiu tranquilizar a tripulação quando o Rescue desapareceu definitivamente no horizonte,
como um animal desesperado que foi abandonado na estrada e que , exausto de correr , se resigna , finalmente ,
com sua sorte.

Mas os animais abandonados não se tornam, algumas vezes, furiosos como os lobos? No dia 18 de março de 1884,
em meio à neblina, o Frigorifique   —   primeiro navio equipado com câmaras frigoríficas   —   foi afundado
pelo Rumney. Este último recolheu a tripulação do navio francês e prosseguiu em sua  rota  sob a neblina.
Bruscamente,  um vulto surgiu das sombras e se precipitou sobre o Rumney , como se fosse transpassa-lo. Um
vulto idêntico ao Frigorifique, silencioso como um fantasma, embora saísse fumaça da sua chaminé, enquanto
que a do Frigorifique. tinha sido vista cheia de àgua. A abordagem foi evitada por um triz. De repente, a estranha
massa sombria reapareceu, precipitou-se  de  novo  sobre  o  navio  inglês  e, dessa  vez,  conseguiu  atingi-lo.  0
Rumney afundou e o navio-fantasma afastou-se tranquilamente . As duas tripulações, apavoradas ao extremo,
abandonaram o navio nas baleeiras. A neblina diminuiu e os homens tornaram a ver o Frigorifique  que
navegava em direção a leste, depois sudoeste, e finalmente para o sul. O panico se generalizou quando o
navio-fantasma  rumou  em  direção às baleeiras.  Todos  responderam  à  chamada, logo não  podia haver
ninguém  à bordo.  A baleeira  dos  marinheiros  franceses  conseguiu  abordar  o  navio  abandonado.  Alguns
subiram a bordo e encontraram as màquinas em perfeitas condições,  “movimentando lentamente a hélice”,
enquanto o leme, “voltado completamente para a direita” , fazia o navio  descrever  grandes  circulos.  Embora
fosse posteriormente afundado   —   dessa vez para sempre   —   o Frigorifique tinha se vingado do seu agressor.

Os mistérios do mar, contudo, nem sempre  são tão insondáveis quanto se poderia pensar. Quando o Istrennan,
navio-caçador de focas, foi encontrado ao largo do cabo Horne, com todas as luzes acesas, a mesa servida no
refeitório para o jantar, era poss¡vel pensar que o misério permaneceria inexplicável. Entretanto, um moribundo
contou no hospital de Hamerfest que, juntamente com um bando de outros ladrões, havia assaltado o navio
ancorado. Os assaltantes recolocaram tudo no lugar, esfregaram o convés ensanguentado, colocaram os pratos e
os talheres na mesa. À noite, acenderam as luzes,  suspenderam as velas, levantaram a âncora, dirigiram o  navio
para  alto  mar e  depois  fugiram na escuridão.

Durante muito tempo, os marinheiros sonhavam com a história  do Mary Celeste. No dia 4 de dezembro de 1872,
o veleiro Dei Gratia avistou o Mary Celeste ao largo dos Açores.  Abordou-o e, para grande perplexidade do
capitão Moorhouse, não havia ninguém a bordo: Moorhouse conduziu a Gibraltar um barco considerado
abandonado. Na cabine do imediato, o capitão encontrou o cofre bem como o diário de bordo, cuja última menção
dizia:

“24 novembro, 11 horas da manhã , 36º de latitude norte, 27º de longitude oeste, bom tempo”.

Uma  linha  foi   pulada.  Depois, logo abaixo, com a mesma letra apertada :

“Sucede-nos   uma  coisa  estranha . . . “

 Era tudo. 0 mistério permaneceu insondável  durante 50 anos. Em setembro de 1872, no porto de Nova  York,
Moorhouse  havia  encontrado Briggs, o capitão do Mary Celeste. Moorhouse ,  em  troca de  uma parte  da
carga ceedera a Briggs três homens da tripulação, e os dois comandantes marcaram encontro na ilha de
Saint-Michel. Briggs embarcou no Mary Ce!este com sua mulher e um piano que foi o responsável por todo o
drama. A viagem do Mary Celeste transcorreu em um clima de brigas e de discussões, sobre  tudo entre o oficial
Hullock e o marinheiro Venholt. A presença da senhora Briggs contribuiu para aumentar o nervosismo geral.
Hulloek, irritado ao ouvir os exercicios de piano da senhora Briggs a um cent¡metro de sua cabeça, atrás de um
biombo, mudou o piano de lugar.

Certo dia, o vento cessou bruscamente.  Nuvens  se formaram  a  uma velocidade fantástica, o mar sem ondas
começou a brilhar como um espelho, e depois o Mary Celeste começou a tremer, a estalar e a dançar
frenéticamente. Era uma tempestade inteiramente imprevista. Bnggs desceu a sua cabine para  observar o
enquanto Hullock deixava correr as adriças . De repente, o drama se desencadeou: sob  golpe  de  uma  manobra
brusca,  a  senhora Briggs foi esmagada pelo piano. Louco de dor, Briggs acusou Hullock e Peter Banson o
timoneiro, pelo acidente mortal. Hulloe mandou atirar ao mar o cadáver e o piano acompanhado pelo próprio
Briggs. Sob as ordens de Hullock, os homens beberam, brigaram e um outro homem caiu ao mar, precisamente o
marujo Venholt.

0 navio ancorou em Santa Maria dos Açores, onde Hulock desertou, com medo de ser interrogado   por dirigir
um navio sem comandante. Toda a tripulação seguiu seu exemplo, com exceção  dos três homens cedidos pelo Dei
Gratia e do cozinheiro Pimberton. No dia 4, um veleiro apareceu no porto. Era o Dei Gratia.  0 capitão
Moorhouse era um homem experiente   . 0 navegante que encontra um navio  abandonado faz um excelente
negócio:   não havia ninguém a bordo do Mary Celeste . Ninguém,  porquanto os  três  marinheiros   estavam
escritos no livro do Dei Gratia.

Sobrava apenas o cozinheiro. Evidentemente ele podia ser atirado do tombadilho. Mas o capitão Moorhouse era
um cavalheiro perfeito:  propos pagar ao cozinheiro sua passagem de volta para a Inglaterra, contanto  que não
abrisse a boca sobre o ocorrido  Foi ali que, 50 anos mais tarde, um jornalista foi encontra-lo para ouvir sua
confissão. Assim terminou   um dos mistérios mais ¡nsondáveis do mar.

 

De  1891 a 1893,   os relatórios oficiais dos capitães  assinalaram   1628   navios-fantasma. Em 19 12, calculava-se
que o número deles aumentava de duzentas unidades por  ano . Claro, isso aconteceu há  muito tempo. Mas não
devemos esquecer que existem verdadeiros câmaras frigor¡ficas para os navios,  que são os grandes blocos de gelo.
Em  1852 , os navios Terror e Erebius, do explorador John  Franklin, reapareceram presos em um iceberg, seis
anos depois de terem sido abandonados  nas  geleiras  do  arquipélago  polar norte-americano. Em 1911 ,  foi
encontrado em  perfeito  estado  o  navio  de  exploração Investigator,  abandonado por McLure em 1854. Em 1911 , um outro navio foi descoberto no  Antártico e seus papéis estavam datados de 1848, ou seja, de 63 anos antes. Como alguns mamutes foram encontrados na Sibéria, não nos devemos espantar se, um dia, o célebre Holandês Voador aparecer, com suas velas ao vento.

A menos que, daqui até  lá , desiludidos por nossa civilização mecanica, todos esses navios desaparecidos alcancem
o famoso “cemitério dos  navios perdidos .  .  .”

Os navios se comportam como certos cavalos levados  ao matadouro.

Em 1950, o couraçado brasileiro São Paulo, puxado por dois  rebocadores, partiu com destino à Inglaterra  onde deveria ser desmantelado. Ferto dos  Açores, dois cabos quebraram, o vento leve se transformou em tempestade e o São Paulo desapareceu.   Aviões sa¡ram a sua procura pois havia oito homens a bordo : tarde demais, o São
Paulo recusou ser demolido.

Durante toda nossa infância ouvimos histórias sobre o “cemitério dos navios perdidos”   , situado no mar dos
Sargaços . Para os romanc¡stas, esse mar sem correntes, sem ventos, coberto de algas, conserva como uma hidra
, tudo o que entra no seu dom¡nio.

Lenda? Claro! Mas mesmo ass¡m o Florence E. Edgett foi encontrado ali dez anos após   ter sido abandonado
perto das ilhas Sotavento. Outros autores imaginaram que nesse   lugar dantesco vivia, em cima de um
aglomerado de navios de todas as épocas, reunidos   lado a lado, uma comunidade de naufragos de todos os pa¡ses.
Afinal, esses barcos desaparecidos levavam mulheres a bordo e, em   1884, foi encontrado nesse alucinante mar
dos Sargaços um navio tão antigo que não era poss¡vel ler seu nome no casco .  .  . Mas esse barco  arcaico
transportava  cadáveres   que não tinham nada de arcaico.  Assim, a   lenda é muitas vezes confirmada pela
realidade. A realidade pode desfazer a lenda,   mas essa última é ,   muitas vezes, reforçada   pela primeira. Tudo é
lenda antes de ser   conhecido. Nossos deuses morrem lentamente, mas outros deuses mais jovens os substituem. Talvez, um dia, percebamos melhor   a verdade do poeta:

Objetos inanimados, tendes por ventura uma   alma

Que se une à nossa alma .  .  .

Para quem gosta de aventuras , o cemiterio   dos navios perdidos é também o cemitério dos tesouros. Os navios afundados na corrente do Golfo e na corrente norte-equatorial navegam sob a àgua, até a altura do Taiti,  depois tomam  a  direção do  norte,   entram no mar dos Sargaços e encontram um banco de areia onde encalham.

Depois de muitos séculos sobram apenas as armações de aço e ouro.  Em Puerto Placa, dizem que o banco de areia está  situado um pouco acima do Trópico do Cancer, não muito distante dos 68º de  longitude leste. Talvez não se encontre ali o tesouro do Banco de Prata,  muito menos um navio-fantasma, mas com toda certeza é um bom lugar para o aventureiro encontrar-se a si mesmo.

Extraido de um texto de Camille du Val

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rua Dr. José Afonso de Melo, N° 118, Sala 820 – Jatiúca, Maceió – AL. CEP 57.036-510.

*Site sem fins lucrativos

O homem consciente é verdadeiramente livre. Ele sabe que não sabe.

Louis Pauwels

Copyright © 2020. Detetive do Improvável. Todos os direitos reservados.