26 de junho de 2018

Poltergeist – Parte 2

Casos de Poltergeist foram registrados quase desde o início da história registrada, mas esses cinco casos foram quase perdidos até a passagem do tempo, até agora …

Um poltergeist (alemão para ‘Ghost Noisy’) é um tipo de fantasma responsável por distúrbios físicos, ruídos altos, objetos sendo jogados ou destruídos sem motivo e pode até mesmo causar danos. Eles já foram relatados mordendo, apertando, empurrando e até mesmo golpeando pessoas. Eles geralmente se relacionam a  uma pessoa em particular, em vez de um local, e tem sido dito que uma pessoa com tal magnitude de raiva ou de qualquer outra emoção forte (adolescentes são especialistas nisso) também pode tornar essas ocorrências manifestas. A história do poltergeist tem sido relatada em todo o mundo desde o início do primeiro século. Alguns casos famosos incluem “The Enfield Poltergeist”(veja nosso outro post) , “The Bell Witch” e “The Borley Rectory”.

 

 

O conjunto de casos a seguir não é muito conhecido e você provavelmente não ouviu falar deles, mas aqueles que testemunharam essas assombrações perturbadoras viram-se para sempre mudados.

  1. O poltergeist de Rosenheim

 (Fonte da imagem theghostdiaries.com)

No outono de 1967, o conhecido parapsicólogo alemão Hans Bender foi chamado aos escritórios de advocacia de Sigmund Adam para investigar e relatar um possível distúrbio do poltergeist. A atividade foi centrada nos escritórios durante os fins de semana e testemunhada por vários funcionários da firma, incluindo a da secretária Annemarie Schaberl, de 19 anos. Ao investigar mais, Bender chegou à conclusão de que Schaberl foi a culpa para a atividade, acusando-a de ser telecinética devido a sua raiva de não ser feliz com seu trabalho e um rompimento recente com o noivo. Toda vez que ela passava por um corredor, os telefones começavam a tocar fora do gancho, sem nenhum chamador do outro lado. Molduras penduradas ao redor do escritório girariam para completar 360 junto com armários de arquivo pesados ​​e extravio de mobília.

Parte da atividade foi registrada, mas nunca se provou que fosse autêntica ou que Annemarie era a culpada. Críticos e céticos publicaram artigos em torno de Bender acusando-o de “contas fraudulentas”, enquanto ele afirmava que suas descobertas eram autênticas. Dois investigadores de um jornal alemão afirmaram ter visitado os escritórios e encontrado filetes de náilon em luminárias de escritório e uma falsa saída no medidor de corrente elétrica, fazendo com que telefones e aparelhos de iluminação enlouquecessem. Podemos nunca saber se o Poltergeist de Rosenheim era de fato verdade ou apenas uma invenção de alguém tentando chamar a atenção.

 

  1. Poltergeist da Reitoria de Epworth

 

 (Fonte da imagem wesleytour.com)

Este foi um caso incomum que atormentava a família do reverendo Samuel Wesley, em Lincolnshire, Inglaterra, em dezembro de 1716. Reverendo Samuel Wesley foi concedido a reitoria em 1709 pela rainha Mary a quem tinha dedicado um poema em sua homenagem. Em troca de sua gentileza, ele foi dado ao edifício de estilo Queen Anne conhecido como a Reitoria Epworth. Os eventos perturbadores que se seguiram incluíam móveis em movimento, sons de dança e passos, correntes em pancadas e batidas abruptas e batidas na casa. O reverendo, que era cético em relação aos fenômenos paranormais, não foi informado sobre a atividade; e sua esposa culpou a situação a ratos nas paredes.

 

No entanto, quando a atividade ficou fora de controle, a família finalmente decidiu deixar Samuel entrar na situação. De acordo com o conto, depois que descobriu, ele e sua esposa revistaram a casa toda, virando todos os cantos e recantos, mas nada foi encontrado fora do comum. A atividade continuou até o ponto em que a filha mais velha de Wesley, “Hetty”, apelidou o distúrbio de “Old Jeffrey”. A atividade cessou em janeiro de 1720.

 

Alguns anos depois, um professor chamado Addington Bruce sugeriu que a atividade era um caso de psicocinese. Declarou que foi criado pela perturbada Hattie ou talvez tenha sido culpa da Sra. Wesley devido aos anos reprimidos de raiva contra o marido, uma vez que ela nunca conseguira resolver completamente seus problemas conjugais.

 

  1. O Poltergeist “Seaper” de Seaford

(Fonte da imagem American Hauntings Ink)

O primeiro poltergeist já televisionado, o “Popper”, tem sido o centro de controvérsias devido às altas semelhanças com outro caso infame, o Amityville Haunting. Os típicos anos 50 em casa não tinham nada incomum sobre isso. Localizado em Seaford, Nova Iorque (um subúrbio de Long Island), a casa era uma casa de estilo fazenda branco e verde, com três quartos, um banheiro, uma cozinha, uma pequena sala de jantar, uma sala de estar e uma cave que foi dividido entre uma despensa e uma sala de jogos. Em 3 de fevereiro de 1958, apenas um dia comum na casa de Hermann, as coisas começaram a se transformar em caos quando vários frascos contendo líquidos começaram a pipocar, perdendo suas tampas e derramando o conteúdo por toda a casa.

James Herrmann, o patriarca da família, chegou em casa do trabalho pouco tempo depois e descartou o incidente como talvez a umidade. Mas isso ainda não explica com precisão como as tampas estouraram, especialmente aquelas que tinham as tampas superiores. Dois dias se passaram e todos pareciam ter se esquecido do incidente até que aconteceu novamente na mesma época. James começou a suspeitar que seus filhos,  amantes da ciência, eram aqueles que, de alguma forma, manipulavam as garrafas para assustar sua família. Ele manteve o olho em seu filho pelos próximos dias, até que ele tentou “surpreendê-lo” no banheiro para apenas encontrar o garoto escovando os dentes. De repente, bem à sua frente, vários frascos de xampu e outros conteúdos se abriram sozinhos.

Depois de procurar na casa por qualquer fio ou qualquer item suspeito, Hermann chamou os policiais para ajudá-lo com o problema. Cética a princípio, a polícia achava que ele estava alucinando, mas já que ele era conhecido como um membro respeitado da comunidade, eles decidiram verificar por si mesmos, enviando o detetive Joseph Tozzi para investigar o caso. Nos próximos dias, Tozzi registrou todos os incidentes na casa. Mais garrafas estouraram, figuras de porcelana se moveram e outros fenômenos aumentaram. Eles solicitaram a ajuda do padre William McLeod, da Igreja de St. William, o Abbott, quando começaram a surgir notícias sobre os incidentes através de jornais, rádio e televisão.

Isso durou pouco mais de um mês, quando o “Popper” finalmente decidiu deixar a casa. Após eventos tumultuosos, imprensa e esquisitices se aproximando da família, o “Popper” decidiu sair e nunca mais voltar. Qual foi a razão para essas ocorrências estranhas? Um dos membros da família estava causando isso? Nós podemos nunca saber. Até hoje, ninguém conseguiu chegar ao  motivo ou como isso aconteceu.

 

  1. O Poltergeist do Julgamento da Bruxa Islandmagee

(Fonte da imagem theguardian.com) Gravura representando uma mulher algemada sendo julgada por feitiçaria em um tribunal.

Acredita-se  que esse caso estar relacionado ao julgamento da última bruxa na Irlanda. O caso ocorreu em Islandmagee (Irlanda do Norte hoje) entre 1710 e 1711. O ocorrido girava em torno de uma mulher  chamada Sra. Haltridge que tinha sido atormentada por poltergeists por um bom tempo e mais atualmente tinha sido vítima de posseções, segundo registros. Ela não conseguia dormir há dias, itens e roupas foram jogados em sua casa e ela até testemunhou a aparição de um menino. Ela fez comentários sobre as ocorrências para alguns de seus amigos mais íntimos, mas ninguém acreditou nela.

Algumas noites depois, ela foi ouvida gritando que alguém estava atacando-a com uma faca. Quando as pessoas chegaram lá, foi encontrada morta por várias facadas. Um ano depois, sua filha mais nova, foi visitada por uma mulher chamada Mary Dunbar. Ela alegou que o mesmo poltergeist que atormentava a sra. Haltridge também a perseguira; a única diferença é que Dunbar também testemunhou aparições de uma mulher a atacando enquanto dormia.

Surpreendentemente, Dunbar foi capaz de acordar e identificar a mulher, e alegou que ela estava sendo atormentada por mais sete mulheres. Mais tarde, ela acusou as mulheres em frente ao tribunal e as mulheres foram levadas a julgamento e acusadas de feitiçaria. Cada um recebeu uma sentença de um ano por seus crimes. Ninguém nunca descobriu quem matou a Sra. Haltridge e o resto dos registros contendo mais informações sobre o caso foram perdidos em um incêndio, durante a Guerra Civil Irlandesa.

 

  1. Caso Canneto di Caronia

(Fonte da imagem 5avi.net)

Este é o primeiro caso a ter não apenas uma família, mas uma cidade inteira envolvida num suposto Poltergeist, ocorrido no inverno de 2004 em Caronia, uma cidade ao norte da Sicília, na Itália. Relatórios e reclamações começaram a chegar no dia 4 de janeiro, enquanto outros afirmam que começou no dia 21. Aparelhos como televisões, aspiradores de pó, fogões e até mesmo presentes de casamento foram subitamente pegos em chamas sem nenhuma explicação. Pelo menos uma pessoa na pequena cidade, um policial alegou ter sido testemunha de algumas das ocorrências.

Artigos de jornais começaram a circular e histórias diferentes se espalharam como fogo. Todos os tipos de explicações foram oferecidas: não era nada além de uma mera coincidência, forças demoníacas, o sistema ferroviário e até mesmo um transmissor de ampliação. O prefeito da cidade pensava que era apenas um situação de causa natural. O fenômeno diminuiu, mas recomeçou em abril do mesmo ano. As causas até hoje permanecem desconhecidas, mas apenas por segurança  e para evitar quaisquer problemas futuros, os sistemas de energia da aldeia tiveram suas instalações melhoradas em relação as que existiam antes do ocorrido.

Em conclusão, eles determinaram que os incêndios foram causados por cargas elétricas estáticas. Cientistas e pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas e da Nasa vieram para concluir isso. No verão de 2014, fogos misteriosos começaram novamente e até hoje continuam sem nenhuma explicação.

Indo a Itália, que tal dar uma olhada por lá enos mandar novas informações, nobre leitor?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *