Close

terça-feira, junho 28, 2022

Diversos

Um poema lunar.

31 de julho de 2018

Um poema lunar.

Eclipse Lunar

Cecília Meireles
Pois ali está, no meio da noite, a Lua. É mesmo um lago de prata, com vagas sombras cinzentas — sombras de árvores, de barcos, de aves aquáticas… O céu está muito límpido, e é puro o brilho das estrelas. Mas em breve se produzirá o eclipse.
E, então, pouco a pouco, o luminoso contorno vai sendo perturbado pela escuridão.  A Terra, esta nossa misteriosa morada, vai projetando sua forma naquele redondo espelho. Muito lentamente sobe a mancha negra sobre aquela cintilante claridade. É mesmo um dragão de trevas que vai calmamente bebendo aquela água tão clara; devorando, pétala por pétala, aquela flor tranquila.
E o globo da Lua, num dado momento, parece roxo, sangüíneo, como um vaso de sangue. Que singular metamorfose, e que triste símbolo! Ali vemos a Terra, melancolicamente reproduzida na apagada limpidez da Lua. Ali estamos, com estas lutas, estes males, ambições, cólera, sangue. Ali estamos projetados! E poderíamos pensar, um momento, na sombra amarga que somos. Sombra imensa. Mancha sangüínea. (Por que insistimos em ser assim?)
Ah! — mas o eclipse passa. Recupera-se a Lua, mais brilhante do que nunca. Parece até purificada.
(Brilharemos um dia também com o maior brilho? Perderemos para sempre este peso de treva?)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rua Dr. José Afonso de Melo, N° 118, Sala 820 – Jatiúca, Maceió – AL. CEP 57.036-510.

*Site sem fins lucrativos

O homem consciente é verdadeiramente livre. Ele sabe que não sabe.

Louis Pauwels

Copyright © 2020. Detetive do Improvável. Todos os direitos reservados.