29 de julho de 2018

Ciência, religião e o túmulo de Jesus

Sempre foi comum se falar que política e religião (e para quem gosta, pode ser incluído nessa lista o futebol) são duas coisas que você não deve mencionar em reuniões de família. Hoje são ciência e religião. Isso porque a ciência e a religião parecem não concordar com muitas coisas. Boas notícias para aqueles que se perguntam sobre o que falarão nas festas de Natal … há uma nova descoberta com a qual tanto fãs de ciência quanto de religião podem concordar. Segundo Paul Seaburn, pesquisadores que estudam a caverna de calcário que é a suposta tumba de Jesus na Igreja do Santo Sepulcro em Jerusalém determinaram que ela remonta muito mais do que se pensava e apóia a história de sua consagração original pelos romanos.

 

Os resultados da pesquisa foram divulgados esta semana pela National Geographic. A tumba, dita pelos crentes como o local onde os romanos colocaram o corpo após a crucificação, era coberta com um escudo de mármore desde pelo menos 1555 EC(era cristã) e só foi inaugurada em outubro de 2016. Uma das coisas encontradas foi uma misteriosa placa antiga. Partes dela e a argamassa usada para mantê-la no lugar foram analisadas e datadas, e os resultados foram surpreendentes.

O pesquisador de temas bíblicos Paul Seaburn relata que algumas das amostras de morteiros retiradas da parede sul da caverna datam de cerca de 335 EC. Isso coincide com as histórias que Constantino, o primeiro imperador cristão de Roma, ordenou uma busca pelo túmulo.Teria, então, sido encontrada ,debaixo de um templo romano de 200 anos que foi destruído,  uma caverna calcária que poderia ser a tumba. Esta nova evidência indica que a laje foi usada para selar a tumba e o primeiro Edicule ou santuário foi construído sobre ela. Esse santuário foi danificado por incêndios e terremotos e acabou sendo destruído em 1009 pelo califa fatímida Al-Hakim bi-Amr Allah. Outras amostras de argamassa encontraram data para a reconstrução logo após isso.

Agora é hora dos argumentos. Será que esta nova prova de cimento confirma a ideia de que esta é a tumba real de Jesus? Na verdade não. Isso mostra que o local foi considerado como o túmulo no século IV e a crença era forte o suficiente para cobri-lo com um templo, sem mencionar o início de muitas batalhas que tinham o templo como o motivo.

 

A caverna continuará a ser estudada, e a verdadeira questão hoje é a condição do santuário. Ele foi reconstruído em 1808-1810 após ser destruído pelo fogo e está em más condições devido à idade e à quantidade de atividade em torno dele. Parece que a solução está escondida dentro dessa nova descoberta … na argamassa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *