15 de agosto de 2018

O caso de um vampiro inglês

 

A história do que veio a ser conhecido como o vampiro Croglin Grange começa em 1875, na área remota e pitoresca de Cumberland, no noroeste da Inglaterra. De acordo com o conto, numa primavera dois irmãos chamados Edward e Michael Cranswell e sua irmã Amelia vieram para aquele lugar sereno e temporariamente alugaram uma casa de pedra de um único andar chamada Croglin Grange, que dava para o vale e ficava perto de um antigo cemitério. Era uma propriedade de uma família chamada os Fishers. Os irmãos estavam tão encantados com a pacata vida rural desta cidade que decidiram ficar por um tempo e se tornaram conhecidos entre os habitantes locais. De fato, eles estavam tão se sentindo em casa que se tornou mais e mais aparente que eles iriam ficar muito mais tempo do que o planejado originalmente.

 

O trio ficou lá naquela velha casa de pedra durante todo o inverno e até o verão seguinte, que trouxe consigo uma onda de calor sufocante, com temperaturas mais altas do que a região já havia visto. De acordo com a história, uma noite muito quente e abafada, Amelia deitou-se em seu quarto, mas não conseguiu dormir por causa do calor opressivo, em vez disso sentou-se na cama, olhando para a noite de verão através das persianas abertas. Foi então que ela notou o que pareciam ser duas luzes bruxuleantes serpenteando através das árvores escuras do lado de fora para ganhar brilho à medida que se aproximavam de sua janela, para o crescente alarme da menina.

 

Ao fazê-lo, ela aparentemente ficou dominada por uma sensação de pavor, e como a fonte da luz brotou da escuridão atrás daquele painel de vidro, ela pôde ver que era um “rosto horrível e marrom com olhos flamejantes”. A criatura continuou olhando para ela e começou a arranhar a janela, que estava felizmente trancada, no que parecia ser uma tentativa de abri-la. Quando as garras da coisa arranharam e arranharam o vidro, a garota apavorada quis gritar, mas descobriu que sua voz não funcionava, que estava completamente paralisada de medo, paralisada na coisa na janela e apenas capaz de olhar silenciosamente e tremer quando a entidade bestial do lado de fora começou a se formar, arranhando o vidro e descascando a ponta que fechava as bordas do vidro da janela.

 

 

Quando a janela caiu no chão e uma mão com garras esqueléticas estendeu a mão para destrancá-la, Amélia ainda não conseguia gritar, com sua voz presa pelo medo, estava igualmente desamparada enquanto uma enorme forma humanóide escorria pelo espaço para tomá-la em seus braços, agarrar seus cabelos e puxar ferozmente a cabeça para trás para expor sua garganta. Apesar de tudo isso ela estava petrificada e incapaz de se mover, mas quando a criatura se inclinou para afundar seus dentes em seu pescoço, a dor libertou sua voz e ela soltou um grito terrivel.

O grito foi alto o suficiente para acordar os dois irmãos da menina, e eles correram para o quarto, quebrando a porta trancada para encontrar o intruso estranho escapando pela janela. Um dos irmãos correu atrás dele com um vela na mão, mas o ser foi descrito como incrivelmente rápido, avançando rapidamente em uma série de “passos gigantescos”, e finalmente, pulando das janelas da casa para desaparecer  noite adentro. A própria Amelia estava ferida e sangrando pelo pescoço, mas ela sobreviveu ao ataque. Na época, ela aparentemente chegou à conclusão de que  havia sido vítima de algum louco psicótico que escapou de um asilo, e a palavra vampiro não entrou em cena neste momento. Os irmãos preocupados queriam tirar sua irmã daquele lugar e permitir-lhe algum tempo para se recuperar, então, posteriormente, tiraram férias longas na Suíça.

Quando voltaram a Croglin Grange no outono seguinte, eles se prepararam para qualquer problema adicional que pudessem ter com invasores desorientados. Os irmãos conseguiram dormir em um quarto em frente ao de Amélia, e mantinham as pistolas prontas o tempo todo, com Amélia certificando-se de fechar bem as persianas todas as noites. Por algum tempo, parecia que as coisas haviam retornado ao normal, e o inverno passou sem incidentes. No entanto, naquela primavera, qualquer que fosse o mal que espreitasse lá fora durante a noite, veio chamar a jovem de novo.

 

Nesta noite, Amelia foi acordada pelo mesmo som agora familiar de um arranhar e bater em sua janela, que agora estava devidamente fechada para bloquear a visão do horrível rosto que ela já conhecia. Se preparando para o pior, mas ainda esperando que fosse apenas algum animal, ela subiu para espiar a parte superior da janela não coberta pelas persianas. Entretanto, logo se viu sobre aquela criatura, com o mesmo semblante enrugado e hediondo e aquelas mesmas brasas ardentes nos olhos. Ela conseguiu gritar dessa vez, e quando ela fez seus irmãos imediatamente entraram em ação, saindo da casa com pistolas carregadas e prontas. Eles supostamente conseguiram atirar na perna enquanto o ser fugia, mas ainda assim não deixaram de segui-lo , conseguindo chegar ao cemitério mais próximo e vendo a criatura correr para algum tipo de cripta.

 

Os irmãos estavam muito assustados para abrir e olhar dentro nos confins escuros daquela cripta, e decidiram voltar no dia seguinte. Dessa vez , resolveram pedir ajuda  e saíram recrutando moradores para se juntarem a eles em sua cruzada. Ao conversar com alguns deles,  descobriram que outros moradores tinham passado por visitas semelhantes, tendo  inclusive, o caso de uma moça local que também sofreu ferimentos causados ​​por mordidas no pescoço, e também haviam sido encontrados bois mortos e ovelhas que tiveram todo o sangue do corpo, aparentemnte drenado. Percebendo que eles estavam, talvez, lidando com algo de natureza sobrenatural, quando os irmãos voltaram no dia seguinte, trouxeram consigo tantos habitantes locais capazes quanto podiam, sem saber o que esperar quando se aventurassem naquele antigo cemitério.

 

Quando eles entraram no sepulcro sombrio, eles supostamente encontraram todas as sepulturas violadas, seus caixões rasgados e abertos, espalhados pelo chão de pedra, exceto por um, e quando esse foi aberto, foi encontrada a criatura que havia sido vista na janela , com um novo buraco de bala na perna, mas aparentemente em algum tipo de transe ou torpor. Chocados e agora convencidos de que eles estavam lidando com um vampiro, os irmãos rapidamente resolveram queimar o corpo horeendo  bem ali onde estava, terminando assim o reinado de terror do Vampiro Croglin Grange.

 

 

Todo esse relato bastante dramático e sensacional foi primeiramente transmitido pelo escritor e relator de viagens inglês Augustus Hare, que o incluiu em sua autobiografia de 18 volumes de 1890, A História da Minha Vida, em uma seção intitulada “A Besta de Croglin Grange”. Soa como algo saído de uma história de horror fictícia, e afinal de contas Hare era conhecido por relatos fantasmagóricos emplumados e essa era a era das histórias sensacionalmente macabras e góticas , mas o autor mesmo assim a apresentava como real e factual. Conta, sem qualquer sugestão de que era apenas uma ficção. Segundo ele, ele tinha ouvido pessoalmente a história em 1874 diretamente do dono da Croglin Grange, o capitão Edward Fisher-Rowe, cuja família possuía a propriedade há séculos. O que torna ainda mais misterioso é que Hare esqueceu de citar os nomes de pessoas envolvidas,  os locais detalhados ou fontes para verificar o relto, e uma vez que ele nunca admitiu que nada disso era ficção e sempre a apresentou como fato só foi ganhando mais ar de mistério, incitando o debate interminável sobre se algum elemento dele é baseado na verdade, ou se foi tudo o produto da imaginação de Hare ou Fisher.

 

Um dos primeiros céticos da realidade do conto foi o escritor e ilustrador inglês Charles George Harper, que viajou pessoalmente para Cumberland para verificá-lo em 1924. Ele duvidava tanto do relato, que achava que sequer algum dos habitantes locais sabia alguma coisa sobre um lugar chamado Croglin Grange. O mais próximo que conseguiu encontrar que correspondia à descrição no livro era um prédio chamado Croglin Low Hall, mas não possuía nenhuma caracteristica fisica descritiva que servisse para encaixar no que foi relatado. Harper também não encontrou nenhuma evidência de que os irmãos Cranswell tivessem existido, e considerando a falta de informações claras no livro de Hare, seria impossível localizá-los, mesmo que o fizessem.

Tudo isso era uma prova muito contundente de que o Croglin Grange Vampire era uma fraude deliberada ou não intencional, mas as descobertas de Harper seriam desafiadas na década de 1930 pelo pesquisador F. Clive Ross, que também se aventurou em Cumberland para sua própria investigação. Ele acharia que Croglin Low Hall era de fato o lugar de onde Hare havia escrito, e que apesar de ter sido demolido e construído em seu lugar, uma capela, de fato havia uma igreja e um cemitério ali, com suas pedras de fundação ainda visíveis. O prédio tinha até uma janela bloqueada que era considerada a mesma onde o vampiro havia aparecido.

 

 

Também foi descoberto que outros na área também ouviram o conto do Vampiro de Croglin, que era uma lenda local antiga, quase esquecida, e que os irmãos pescadores eram de fato uma família real. Um dos moradores que foi entrevistado até apontou que Croglin Low Hall havia sido referido como Croglin Grange até 1720, o que significa que embora Hare possa ter confundido as datas, pelo menos alguns elementos de sua história eram verdadeiros. Isso é semelhante às descobertas feitas por um jornalista chamado Lionel Fanthorpe, que em anos mais recentes concluiu que havia um Croglin Grange e até mesmo um cemitério combinando com o da história, mas que existia em 1600.

 

Nada disso prova que qualquer coisa na história aconteceu ou não, e a autenticidade da história do Vampiro Croglin Grange permanece incerta, embora ao lidar com criaturas sobrenaturais da noite e vampiros reais sedentos de sangue, a ausência de qualquer evidência seja obstáculo muito gritante para quem gostaria de pensar que um verdadeiro vampiro visitou Cumberland no século XIX. Também poderia ser que essa fosse uma ficção conjurada pelo próprio Hare, utilizando certos lugares reais, e simplesmente apresentada como uma história verdadeira para efeito dramático, que nos anos posteriores foi mal interpretada como um relato possivelmente real e adquiriu vida própria. Ninguém realmente sabe.

 

É de fato essa compreensão nebulosa da verdade e do senso de mistério, bem como seu habitat em um canto esquecido da história local que permitiu que o conto de Croglin Grange se transformasse na lenda que é hoje. O conto e a natureza de suas origens passaram a ser intensamente estudados e debatidos, e uma quantidade impressionante de tempo e pesquisa determinou a veracidade de uma história de vampiro que já foi esquecida, provavelmente em grande parte fictícia, que apareceu brevemente nas páginas de algum século. Continua a ser , entretanto, um puro mistério não resolvido, e se isso era tudo um conto , uma farsa ou um relato real do mal sobrenatural, é no mínimo uma curiosidade histórica intrigante e  interessante do folclore local.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *