5 de agosto de 2018

O Milagre de Robozer

O que se passou em Robozer , local de um mosteiro na região de Moscou , no ano de 7171 da criação do
mundo , pela Igreja Ortodoxa da Mui Santa Rússia? Veja o que citam o  livro “O Livro do Inexplicado” de Jacques Bergier:

A data é 15 de agosto , um sábado ( calendário gregoriano). As autoridades eclesiásticas interrogaram
imediatamente as testemunhas. Dois deles, Ivachko Rjevski e Levka Fiedorov , o primeiro trabalhador
agrário, e o segundo camponês cultivador de sua própria terra, eram os menos aterrorizados que os outros e
deram descrições concordantes.

Segundo essas descrições , no pequeno lago de Robozer, com aproximadamente 2 km de comprimento,
apareceram em pleno meio-dia chamas imemsas sobre uma extensão de mais ou menos 140 metros de
diametro. O céu estava claro e sem nuvens . As chamas eram cercadas de uma fumaça azul. Duas luzes
ardentes jorravam desse fenômeno.

Este desapareceu durante uma hora , depois reapareceu a 500 metros das cercanias do local primitivo.
Ainda dez minutos mais tarde , o fenômeno desapareceu novamente e tornou a reaparecer em seguida. Era
acompanhado de um barulho espantoso e desprendia um calor intenso, que impedia a aproximação de
canoas . Numerosos peixes foram mortos, enquanto outros fugiram. Após o fenômeno , uma camada
avermelhada , semelhante à ferrugem recobria o lago.

Um segundo interrogatório pelas autoridades eclesiásticas teve lugar a 30 de novembro do mesmo ano, com
os mesmos resultados. Esses interrogatórios foram publicados integralmente em 1842 , por uma comissão
arqueológica que examinou os arquivos do Museu de São Cirilo de Robozer.

O segundo interrogatório nos deu a envergadura do fenômeno: 40 metros em termos modernos. Uma das
testemunhas precisou que a luz era de tal forma intensa que se via o fundo do lago , tendo este local 8 metros
de profundidade . Várias das testemunhas estavam sob o’pórtico do mosteiro  outras haviam procurado
aproximar-se das chamas em canoas. Estes sofreram leves queimaduras.

Diga-se que numerosas hipóteses foram emitidas , mas nenhuma resisitiu. Primeiro, falava-se de miragem,
fenomeno que já era bem conhecido na época. Mas uma miragem não transmite tanta energia para fazer
queimaduras e não deixa uma camada espessa de um óxido metálico assemelhando-se à ferrugem.

Quando do inicio do século XIX , os trabalhos do sábio Chladni teriam provado a realidade dos meteoritos ;
malgrado o ceticismo racionalista de Lavoisier , procurou-se explicar o enigma de Robozer por um meteorito.
Somente não se encontraram vestígios e um meteorito , uma vez caído, não reaparece por duas vezes um
pouco mais tarde. A queda de um meteorito é um fenômeno quase instantâneo , chegando a uns 20 km por
segundo . Ora , a bola-de-fogo de Robozer persistiu , na sua primeira aparição, durante uma hora e meia, a
água queimava , o que equivale a decompor-se em hidrogênio e oxigênio que se combinavam
explosivamente.

A teoria do meteorito foi defendida energicamente po D.O. Swiatski em 1915 , numa brochura  editada em
Petrogrado . Esta hipótese foi completamente repelida por todos os especialistas.

Falou-se de colisão com um cometa, o que não se sustentou; seria um cometa minusculo. Por outro lado, se
um cometa entrasse em colisão com a Terra, seria uma vez mais, um fenomeno instantaneo , e não durararia
uma hora e meia.

Os racionalistas modernos logo ressaltaram a hipótese da bola-de-fogo . Esta , após ter sido demonstrada
impossivel , é muito popular no momento. O professor Kapitza reproduziu-a em seu laboratório e tirou belas
fotos. A bola-de-fogo é um plasmóide , isto é, matéria ionizada, eletricamente carregada, mantida coesa até
o presente por forças desconhecidas. Só que a bola-de-fogo tem uma existencia máxima de cinco segundos
e não ultrapassa 25 centimetros.

Se o fenomeno de Robozer fosse uma bola-de-fogo , seria uma bola de fogo excepcional e cientificamente
impossível. Além do mais, a bola-de-fogo é aliada a trovoadas, e é provavelmente produzida pela faísca
comum. O milagre de Robozer se produziu sob um céu sem nuvens e sem nenhuma trovoada. Ademais,
existem observações de bolas-de-fogo caindo na água. Uma dessas observações, na qual se pôde medir
com um termometro, a elevação da temperatura de uma selha de água onde a bola de fogo caiu , serviu
depois de base para as estimativas da energia.

Em nenhuma dessas observações se constatou camada de ferrugem na superfície da água. Isto seria, por
outro lado, impossível, a bola-de-fogo seno composta de nitrogenio e oxigênio ionizados e elétrons. A
bola-de-fogo não contém ferro e não pode então se depositar.

Então?

Então Youri Rostzious , da Comissão dos Contatos propõe seriamente, embora com prudencia , a hipótese
de uma sonda automática interplanetária vinda de um outro mundo habitado, que teria se espatifada sobre a
Terra após um acidente técnico.

Assim , o milagre de Robozer viria de fora. A hipótese não é desprezivel.

Entretanto, vindo de fora, o milagre de Robozer pode não ter sido inteligente . Podia ser que um pequeno
fragmento de antimatéria viesse bater na superfice do lago e teria explodido em contato com a água.

Seria necessário que uma particula cósmica de energia excepcional houvesse caído neste local. Há três
séculos de distancia, protestarão os céticos? Há três séculos passados, o lago permanece. E pode-se ver se
seu fundo contém minério , podendo retornar à superfice e deixar uma camada de ferro.

Se não continha , seria uma forte presunção para que uma espécie de ferrugem trazida à superfície do lago
fosse produzida pela combustão da superfice de uma máquina . É possivel, por outro lado, que esta máquina
pudesse fragmentar-se após dois ensaios infrutiferos e após ter perdido uma parte de sua superfice por
ablação.

As cápsulas espaciais terrestres que retornam do espaço perdem assim uma parte notável de sua superfice.
Os viajantes , entretanto, sobrevivem. Outras  explicações interplanetárias , não incluindo máquinas , são
concebiveis igualmente.

O objeto de Robozer pode ser uma particula cósmica super intensa , tendo produzido transmutações por fixes
de subparticulas que ela teria emitido chocando-se com a Terra.Pode , igualmente , ter sido um fragmento de
antimatéria tendo produzido um intenso despreendimento de energia e a partir deste despeendimento um
plasmóide teria se transformado duas vezes antes de se dissipar.

Podemos igualmente encarar , com espirito fortiano ( de Charles Fort ) , uma porta se abrindo para um outro universo. Não falemos
de universo paralelos , pois justamente as paralelas  não se encontram nunca. Mas as lendas abundam sobre um outro universo
que pode se abrir para o nosso , um universo do qual o escritor americano pôde dizer :

Alguns o chamam Avalon e outros Tir-Nam-Béo e outros ainda o Inferno.”

Esta esgota , parece-me, as hipóteses que se possa imaginar a respeito do milagre de Robozer. A verdadeira solução talvez esteja fora do raio de nossa imaginação. Não conheço outro exemplo em que se tenha visto reproduzir o mesmo fenômeno.

Pelo menos na Terra .

Observaram-se em Marte erupções luminosas muito longas , difíceis de se atribuir a um vulcanismo que parece inexistente. Outras erupções luminosas foram observadas na Lua . O astrônomo russo Nikolai Kozyrev pôde examinar a luz emitida (espectrofotometria) e encontrou compostos de carbono , correspondendo a uma chama a temperatura elevadíssima . Essas emissões foram constatadas em muitas crateras lunares.

Talvez se trate do mesmo fenomeno de Robozer. Sobre Marte existe uma atmosfera muito diluída , sobretudo composta de nitrogênio e gás carbonico e que poderia , se ela contivesse uma temperatura suficientemente elevada , formar uma bola luminosa.

Na Lua não existe atmosfera e pensa-se que os gases incandescentes observados por Kozyrev provinham do interior da Lua . Qual é a força então que as pode transportar incandescentes?

Nào mais do de Robozer , não se sabe. Um jato de energia proveniente de um laser forneceria evidentemente uma explicação, mas quem maneja esse laser interplanetário?

É muito dificil dize-lo

É inútil dizer que os súditos do Czar se entregavam a experiencias nucleares . Isto parece extremamente improvável . Não se assinala por outro lado na história  da região nenhum alquimista , nem mágico. Os habitantes pareciam ter sido bons cristãos e fiéis súditos de seu pai, o Czar.

Seria evidentemente interessante saber se, no dia 15 de agosto de 1663 , houve uma importante perturbação magnética. Não se exclui a possibilidade de que um dia se saiba , porque teve inicio nesses nossos tempos meios de se detectar as perturbações magnéticas que foram produzidas no passado.  Estas perturbações deixam vestígios nos minerais. Seu estudo chama-se paleomagnetismo e é uma ciência muito séria.

Ela deve muito ao Premio Nobel francês . Se ocorreu um deslocamento dos polos magnéticos em 15 de agosto de 1663 , saber-se-á e tender-se-a a provar que uma imensa quantidade de energia foi liberada . A ciência não disse ainda sua última palavra e teremos , provavelmente , em um dia próximo uma parte da verdade sobre o milagre de Robozer.

Pode ser que saibamos toda a verdade , se um dia o contacto com os extraterrestres nos indique que uma astronave de exploração sofreu uma avaria na Terra no dia 15 de agosto de 1663 do nosso calendário.

Obs.: Para muitos ufólogos do mundo, até hoje, as chamadas “luzes de Robozer” descrevem um evento ufológico de um provável acidente com um veículo de origem extraterrestre.
E você, nobre leitor? Alguma teoria?

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *