12 de setembro de 2018

Navios Assombrados da Segunda Guerra Mundial

 

Cain wolf na caça ao navios assombrados.

Brent Swancer, pesquisador de mistérios, recentemente voltou as pesquisas sobre navios assombrados. Ele  lembra que algumas das batalhas mais ferozes da Segunda Guerra Mundial foram travadas no mar. Aqui as ferozes feras de aço se enfrentavam em meio a um torveloso e caótico redemoinho de ondas, torpedos, fumaça, fogo e morte. Para muitas das grandes fortalezas flutuantes que se juntaram ao combate, as baixas eram uma ocorrência comum, e para outras, essas enormes naves de batalha tornaram-se gigantescas tumbas de metal enquanto afundavam nas profundezas com suas muitas vítimas. Nos anos que se seguiram à guerra, muitos dos poderosos navios de guerra da Segunda Guerra Mundial transformaram-se em monumentos ou museus flutuantes, sobrevivendo aos testamentos de seus legados sangrentos e heróicos. No entanto, considerando a dura violência e morte que esses vasos viram e passaram, não é de surpreender que não seja apenas a história que se apegou a eles, mas também, talvez, fenômenos sobrenaturais além de nossa compreensão.

 

Um dos navios de guerra mais condecorados da Segunda Guerra Mundial foi o USS North Carolina (BB-55), que foi um gigante poderoso que participou em todas as grandes ofensivas navais no teatro de operações do Pacífico e de fato foi o primeiro navio de guerra a entrar no cenário de batalha após a devastação da Frota do Pacífico nos ataques em  Pearl Harbor realizados pelos japoneses em 7 de dezembro de 1941. O navio altamente armado salvou dezenas de aeronaves e outros navios durante a batalha, incluindo o porta-aviões USS Enterprise durante a Batalha do Eastern Solomon’s em agosto de 1942. O navio recusou-se a ser afundado pelo inimigo, e acabaria ganhando alguns dos mais altos elogios e prêmios disponíveis antes de ser desativado em 1947 e mantido como um memorial de guerra e um museu flutuante em Wilmington, Carolina do Norte.

Nos anos vividos desde sua longa e respeitada jornada de serviço, o USS North Carolina não só se tornou conhecido como um dos navios de guerra mais formidáveis ​​que o mundo já viu, mas também um dos mais assombrados. O fantasma mais visto é um jovem de cabelos loiros em um uniforme de marinheiro, que parece desempenhar suas funções como fazia na vida, abrindo portas e escotilhas, sussurrando, ligando e desligando aparelhos, e batendo em ferramentas causando ruídos anômalos. Há outras sombras vistas no navio que também parecem estar apenaspassando e são vistas como inofensivas, mas também há supostamente outra presença mais maligna no navio. Diz-se que esta entidade em particular gera uma aura de pura raiva e ódio que agita completamente as pessoas em sua presença, e tem havido aqueles que supostamente fugiram do navio em pânico quando confrontados com ele. Considerando que o USS North Carolina só sofreu 10 baixas durante a sua ilustre carreira, pode-se perguntar quem são essas entidades.

 

USS North Carolina

A Segunda Guerra Mundial também produziu outros navios supostamente assombrados, e outro é o navio de guerra afundado USS Arizona, que fica em um túmulo aquático exatamente onde foi afundado junto com 1.177 membros de sua tripulação durante o surpreendente ataque japonês a Pearl Harbor. Em 1962, um memorial flutuante foi erguido sobre o casco enferrujado do navio submerso e afundado, que atrai dezenas de visitantes todos os anos. Muitos desses visitantes relataram desde então ter ocorrido algumas ocorrências muito estranhas.

Existem inúmeros relatos de ver orbes brilhantes flutuando no memorial do USS Arizona ou se deslocando debaixo d’água, e tem havido alguns relatos de um oficial naval fantasmagórico vagando por aí, que parece estar terrivelmente desfigurado por queimaduras. Ainda mais curiosas são as pessoas que afirmam que a trilha interminável de petróleo que continua a borbulhar dos destroços até hoje tende a assumir faces distintas e fantasmagóricas que pairam na escuridão antes de desaparecer. Em algumas ocasiões, elas foram fotografadas, como é o caso de uma mulher australiana chamada Susan De Vanny, que estava visitando o memorial com sua família no dia 26 de setembro de 2011. Quando Susan foi observar as fotos que tirara na excursão, ela descobriu que uma imagem em particular se destacava. Em uma foto do que ela achava que na época era apenas uma porção da superfície da água manchada de óleo, percebeu que a forma lembrava o que parecia ser o rosto de um homem aparentemente chorando de dor ou angústia. De Vanny comentou a respeito da foto surpreendente:

Eu disse ao meu esposo: “apenas dê uma olhada nessa foto”, e ele disse: “Oh meu Deus, é uma carinha”, e então as crianças viram, e disseram “oh uau”. Parecia muito triste, muito triste e jovem. O rosto, para mim, parecia jovem, o que eu não sei se representa os homens daquela época que pereceram.

 

Rosto de fantasma capturado no USS Arizona

Tem havido muita discussão sobre o fenômeno dos rostos no petróleo no local do naufrágio do USS Arizona. Os céticos dizem que isso é simplesmente pessoas vendo coisas nas formações de petróleo que não existem, como ver animais e rostos nas nuvens, que é um fenômeno conhecido como pareidolia. Neste caso, os seres humanos interpretam um padrão aleatório como tendo significado ou uma forma similar a algo que eles reconhecem, o que cria a ilusão de uma forma ou forma particular onde realmente não existe nenhuma. É isso que está acontecendo aqui ou há algo mais? Outros disseram que desde que o USS Arizona vem a representar uma perda de vidas de forma repentina e trágica, com muitos dos corpos das vítimas nunca recuperados, os rostos são ecos dessas almas perdidas, amarradas para sempre ao local do seu último horror e morte de alguma forma gravado sobre ele como se fossem imagens em um filme. Este é um tema comum em lugares assombrados, que a tragédia e o desespero que eles detêm de alguma forma capturam as imagens dos mortos como fantasmas ou como simplesmente repetidos momentos que são reproduzidos como se estivessem em um loop eterno.

 

Em Buffalo, Nova York, há o Buffalo Naval Park, que abriga três destróieres americanos aposentados, o USS Croaker, o USS The Sullivans e o USS Little Rock. Cada um destes tem tido relatos de estranhos acontecimentos, mas o mais assombrado parece ser o USS The Sullivans, que recebeu o nome de cinco irmãos que se recusaram a se separar durante a guerra, onde serviram a bordo do couraçado USS Juneau e morreram tragicamente em um ataque inimigo depois da Batalha de Guadalcanal. Um dos irmãos, um George Sullivan, aparentemente sobreviveu ao ataque inicial de torpedos e, em seguida, navegou no mar em busca dos cadáveres flutuantes tentando obter qualquer sinal de seus irmãos. Ele então tentaria nadar em direção à costa, mas morreria no processo. O incidente foi o catalisador de uma política naval que a partir de então proíbe colocar muitos irmãos no mesmo navio em tempos de guerra, e que ainda está em vigor até hoje, e um novo destróier foi nomeado em homenagem aos irmãos.

 

O USS O Sullivans foi desativado na década de 1960, e quase imediatamente depois se tornou um foco de fenômenos paranormais. Os visitantes têm sido constantemente assediados por uma série de defeitos elétricos, como câmeras que não funcionam, baterias descarregadas em segundos e rolos inteiros de filmes ou cartões de memória apagados sem motivo aparente. Depois, há orbes de luz vistos sinuosamente abaixo dos conveses, e a energia ligando ou desligando sozinha. Em um incidente, uma turnê de turistas estava passando pela nave com todos os equipamentos do navio desligados, mas quando eles se aproximaram da ponte, o equipamento de radar subitamente tremulou do nada.

USS o Sullivans

Há também ruídos anômalos como batidas, estrondos, vozes desencarnadas e até mesmo aparições completas a bordo do USS The Sullivans. Um guia turístico na embarcação fez um relato assustador de se deparar com um torso flutuante com um rosto horrivelmente queimado se lançando da escuridão em direção do assustado homem e evaporando um pouco antes de ocorrer  um impacto. Um dos fenômenos mais estranhos relatados a bordo do navio tem a ver com um retrato dos irmãos Sullivan que é proeminentemente pendurado para todos verem. Diz-se que é impossível tirar uma fotografia clara desta imagem, com cada tentativa obscurecida por uma mancha do que parece ser névoa. Falando em névoas, muitos visitantes alegam que foram seguidos por nuvens brancas que desaparecem se observadas por muito tempo.

 

Talvez ainda mais assombrado seja o USS Hornet, que muitas vezes é apontado como sendo o navio de guerra desmantelado mais assombrado de todos os tempos. O navio em si foi encomendado em 1943, após o qual desfrutou de um glorioso relato de serviço no Teatro do Pacífico da Segunda Guerra Mundial, lutando contra os japoneses em grandes batalhas como a Batalha de Midway, e foi fundamental no afundamento do encouraçado  japonês  Yamato. O porta-aviões USS Kearsarge foi mais tarde rebatizado para USS Hornet em homenagem ao navio perdido, que também teve um período de serviço ilustre durante a Segunda Guerra Mundial e foi exposto após o seu desmantelamento em 1970 como USS Hornet Sea, Air & Space. Museu, em Alameda, Califórnia.

USS Hornet

Infelizmente, o novo USS Hornet viu cerca de 300 membros da tripulação morrer durante o período de guerra, e estranhamente carrega a distinção de ter os suicídios mais relatados a bordo de qualquer outro navio de guerra. Talvez seja essa história sombria e trágica que se ligou ao USS Hornet no cais da Alameda. O navio tem sido atormentado por todos os tipos de avistamentos e fenômenos assustadores, sendo os mais inócuos esses objetos que se movem ou saem das prateleiras sozinhos, muitas vezes à vista de inúmeros visitantes, bem como portas abrindo e fechando por si mesmas. , banheiros se inundando, luzes acendendo e apagando, e todos os tipos de ruídos assustadores, como sussurros, passos, ferramentas tilintando, e até as vozes desencarnadas de homens conversando entre si. Um membro da equipe, um pintor chamado Keith LaDue, deu relato sobre quando esteve trabalhando no local:

“Eu estava lá até as 8:30 da noite e estava sozinho no navio. Demorei no local, pois, queria terminar a seção em que estava trabalhando antes de sair. Quando ainda tinha cerca de dois a três galões de tinta em minha máquina, comecei a ouvir vozes, parecia uma conversa entre tripulações de aeronaves falando coisas relacionadas a sua atividade, largando, falando sobre os aviões em que estavam trabalhando, dizendo nome de peças.

Ainda mais assustadoras são outras ocorrências anômalas mais sinistras. Diz-se que há manchas de sangue que aparecem e desaparecem sem aviso no chão ou nas paredes, assim como figuras espectrais contorcendo-se em agonia na enfermaria,  fantasmas que parecem estar eternamente revivendo a dor excruciante infligida pelo inimigo décadas atrás. . Em alguns casos, visitantes e funcionários descrevem ser empurrados, cutucados, apertados e agarrados por mãos invisíveis nesses corredores escuros, e entidades meio vislumbradas em roupas de marinheiro podem ser vistas frequentemente à espreita. Nem todos os supostos fantasmas a bordo do USS Hornet são tão assustadores, e eles são vistos como se estivessem apenas no seu outrora dia a dia.

Somando-se a lista de navios de guerra supostamente assombrados da Segunda Guerra Mundial está o USS New Jersey, que foi lançado em 7 de dezembro de 1942 para se juntar ao caos da guerra no Pacífico logo após os ataques de Pearl Harbor, e continuou seu serviço durante a guerra. e em anos posteriores, durante a Guerra da Coréia, o Vietnã  e a guerra no Líbano, na década de 1980. Durante sua longa e altamente empolgante vida, a embarcação foi desativada e recondicionada várias vezes antes de ser finalmente colocada em repouso na Estação Naval de Long Beach, Califórnia, em 8 de fevereiro de 1991 e levada para seu local de descanso final em Camden, Nova Jersey.

 

Considerado o navio de guerra americano mais condecorado da história, o USS New Jersey tem muitas medalhas e elogios em sua carreira, e também tem muitos fantasmas. Diz-se que vários espíritos assombram o brigue da nave, onde figuras sombrias são vistas vagando e muitas vezes pode ser ouvido alguém assobiando na escuridão. Também há, aparentemente, mãos fantasmagóricas que empurram as pessoas para trás ao tentar entrar em certas áreas do navio, súbitas e inexplicáveis ​​crises de medo ou náusea, súbitos ventos frios que sopram pelos corredores do nada e, é claro, os usuais misteriosos passos, pancadas e sussurros. Também se diz que as latrinas têm fantasmas que fecham as portas ou mandam as pessoas irem embora, e diz-se que a figura espectral do almirante Halsey, morto há muito tempo no navio, anda a ponto de entrar e sair da existência sem avisar. Doug Hogate Jr., fundador da Sociedade Paranormal de Jersey Unique Minds, disse sobre o USS New Jersey:

Sendo o navio mais condecorado, já passou por tantas coisas e viu tantos homens a bordo desde que foi colocado em serviço pela primeira vez, como vimos em uma parede localizada na frente do navio, que não tinha como não ocorrer esses estranhos relatos. Não há dúvida de que, com essa “cidade na água”, o lar de tantas pessoas por longos períodos de tempo, tornaria esse local muito vulnerável à atividade paranormal, seja residual ou inteligente. Quaisquer espíritos que ainda percorram este navio estão obviamente lá para manter o Battleship New Jersey funcionando e seguro, mesmo que tenha sido atracado em Camden nos últimos 14 anos.

Costuma-se dizer que um dos principais ingredientes para as assombrações é que a localização ou objeto assombrado é imbuído de algum tipo de história obscura ou trauma emocional. Acredita-se por aqueles que procuram fantasmas que há alguma qualidade para este brilho de tragédia que permeia esses lugares assombrados e de alguma forma ou mantém as almas perdidas perto delas ou as projeta como imagens capturadas em um filme. Se este é o caso, então parece natural que os navios de guerra da Segunda Guerra Mundial, com suas histórias encharcadas de dor e morte, também exibam esse fenômeno. De certo modo, eles se tornaram casas assombradas flutuantes ou submersas, atraindo fenômenos paranormais inexplicáveis ​​como qualquer outro local ou objeto similarmente permeado por tais coisas. Se este é realmente o caso, então estas feras maciças de aço não são apenas envolvidas  com uma rica história , mas também com forças que nós não compreendemos e talvez nunca poderemos explicar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *