5 de abril de 2019

Mártires do Realismo Fantástico

É fato que  muitos mistérios que rodam a humanidade  produziram vitimas inocentes. Desaparecimentos, assassinatos misteriosos estão por todo o estudo do realismo fantástico.
Até hoje o crime ocorrido na cidade do Rio de Janeiro em 3 de janeiro de 1984 está tão envolto em mistérios quanto a principal causa que lhe é atribuída: a cidade perdida de Akakor, que teria existido na Amazônia brasileira, mais exatamente na região de fronteira entre o Brasil, a Bolívia e o Peru. O assassinato correu em pelo dia, numa rua do centro da cidade: um homem simplesmente se aproximou do jornalista, disparou um tiro e fugiu correndo em meio à multidão assustada. Tudo leva a crer que se trata de uma “queima de arquivo”.
De fato, a vítima, o jornalista alemão Karl Brugger sabia a respeito de assuntos tidos como “notoriamente proibidos”, como disse o arqueólogo e antropólogo brasileiro Aurélio M. G. de Abreu em seu livro “Reinos Desaparecidos e Povos Condenados”. Realmente Brugger foi o autor de “As Crônicas de Akakor”, livro que se tornou um dos mais vendidos nos Estados Unidos e na Alemanha, mas que  nenhuma editora brasileira quis publicar.
O livro continha narrativas baseadas em lendas e tradições existentes na Amazônia sobre Akakor, a cidade de uma suposta civilização desaparecida antes de 1500. O que se sabe dessa história é que em 1971, numa rua de Manaus (AM), um piloto da Swissair, Ferdinand Schmidt, conversava em alemão com outro membro da tripulação quando foi abordado por um homem esfarrapado que, em alemão, pediu que lhe pagasse uma refeição. O aviador ficou surpreso ao perceber que o nativo soubesse falar alemão tão bem, mas este lhe explicou que sua mãe era uma índia e seu pai era um alemão. Este homem é outro que se tornaria mais um personagem envolto em mistérios até hoje: seu nome verdadeiro é Hans Guenther Hauck, nascido em 5 de outubro de 1941, mas é mais conhecido como Tatunka Nara, e trabalha como guia para visitantes na floresta.
O Coronel Percy Harrison Fawcett (Torquay, 15 de agosto de 1867 – provavelmente no Mato Grosso em 1925) foi um arqueólogo e explorador britânico que desapareceu ao organizar uma expedição para procurar por uma civilização perdida na Serra do Roncador, em Barra do Garças, no estado do Mato Grosso, Brasil.
Fawcett realizou sete expedições entre 1906 e 1924. Ele tinha a habilidade de conquistar os povos que habitavam os locais explorados dando-lhes presentes. Ele retornou a Inglaterra para servir ao exército britânico durante a Primeira Guerra Mundial, mas logo após o fim da guerra retornou ao Brasil para estudar a fauna e arqueologia local.
Em 1925 convidou seu filho mais velho, Jack Fawcett, para acompanhá-lo em uma missão em busca de uma cidade perdida, a qual ele tinha chamado de “Z”. Após tomar conhecimentos de lendas antigas e estudar registros históricos, Fawcett estava convencido que essa cidade realmente existia e se situava em algum lugar do estado do Mato Grosso, mais precisamente na Serra do Roncador. Curiosamente antes de partir ele deixou uma nota dizendo que, caso não retornasse, nenhuma expedição deveria ser organizada para resgatá-lo. O seu último registro se deu em 29 de maio de 1925, quando Fawcett telegrafou uma mensagem a sua esposa dizendo que estava prestes a entrar em um território inexplorado acompanhado somente de seu filho e um amigo de Jack, chamado Raleigh Rimmell. Eles então partiram para atravessar a região do Alto Xingú, e nunca mais voltaram.
Phillip Schneider, um homem que diz ter baleado e matado 2 alienígenas Greys enquanto trabalhava como Geólogo e Engenheiro Estrutural para o Exército Americano em “Projetos Top Secret”.
É chocante não apenas o relato, mas o fato de que 4 meses após esse pronunciamento, Phil foi achado morto, estrangulado até a morte em seu próprio apartamento.
Teria ele falado “demais”?
Embora contradizendo seu atestado de óbito, amigos e família acreditam que isso tenha sido um brutal assassinato praticado pelas mesmas pessoas para quem ele havia trabalhado antes. Oficialmente a causa da morte foi suicídio, mas como Phil diria, foi mais como um “assassinato por suicídio”.(N.T.- Phil já tinha sofrido 13 tentativas de assassinato e tinha problemas para mexer os ombros e uma séria deformação na mão esquerda, seria muito difícil para ele ter dado 3 voltas em seu pescoço com um manguito de borracha e amarrado fortemente com um nó atrás, curiosamente foi achado sangue em seu quarto, sendo que ele não sangrou quando morreu, 8 de 11 de seus melhores amigos também foram “encontrados mortos” e a causa foi “suicídio” – ele ainda dizia que se fosse “encontrado morto” e dissessem que havia sido “suicídio” é porque com certeza ele teria sido assassinado.)
Citações do discurso de Phil em Setembro de 1995:
“Lá em 1954, sob a administração Eisenhower, o Governo Federal decidiu burlar a Constituição dos Estados Unidos e formulou uma aliança com as entidades alienígenas. Isso foi chamado de Aliança de Granada em 1954, que basicamente fez o acordo para que os aliens envolvidos pudessem levar algumas vacas e também poderiam testar suas técnicas de implantes em alguns seres humanos, mas eles deveriam dar detalhes sobre as pessoas envolvidas. Lentamente os aliens alteraram o acordo até que decidiram que eles não mais iriam obedecê-lo. Esta era a realidade em 1979, e o tiroteio em Dulce aconteceu completamente por acidente.”
O americano Milton William Cooper pertence a uma categoria especial de ufólogos. Nos anos 80, Cooper surgiu na subcultura conspirativa denunciando o já lendário pacto entre americanos e alienígenas. Assim como Bob Lazar, ele alertava que os alienígenas Greys e o governo dos Estados Unidos haviam formalizado uma aliança cósmica nos anos 1950, monitorada pelo Majestic 12 (MJ 12), um grupo ultra-secreto fundado pelo presidente Harry Truman. Em troca de tecnologia extraterrestre, o MJ 12 permitiria que alienígenas abduzissem seres humanos e mutilassem animais para pesquisas biológicas. Bases subterrâneas abrigariam a cooperativa alien-americana. Até aí, nenhuma novidade. Mas então William Cooper resolveu acrescentar novos detalhes à saga no seu livro Behold a Pale Horse (Light Technology Publications, 1991). Segundo Cooper:
1. O nome do embaixador alienígena que formalizou o acordo com Harry Truman era Sua Majestade Onipotente Krill.
2. As Bases subterrâneas eram mantidas graças ao tráfego internacional de drogas comandado secretamente pelo MJ 12. George Bush, pai, teria se envolvido pessoalmente na operação antes e depois de ser presidente.
3. John Kennedy não foi assassinado por Ler Harvey Oswald, mas sim pelo MJ 12, quando descobriu a conexão drogas-greys-Majestic.
4. A Lua foi conquistada em 1962 por uma expedição russo-americana-alienígena e não em 1969, como diz a história oficial. Uma base foi construída no lado escuro do satélite e está em atividade até hoje.
5. A AIDS e outras doenças letais foram criadas pelos extraterrestres e seus aliados humanos para controlar o crescimento populacional da Terra.
6. Apesar de só terem contatado os governos terrestres nos anos 1940 e 50, os Greys metem o nariz (ou algo parecido) no planeta a milênios. Várias religiões e sociedades secretas seriam manipuladas por eles.
William Cooper resolveu resistir. Mandou a mulher e as duas filhas para fora dos Estados Unidos, mudou-se para um rancho no Arizona, próximo a Phoenix, e começou a estocar armas e explosivos. Ao mesmo tempo, passou a apresentar um programa de rádio chamado Hour of the time na emissora WBCQ. Cooper foi ganhando adeptos e começou a organizar uma milícia. Em 2001, a polícia recebeu a denúncia de que o tal rancho estava cheio de paranoicos armados. A Swat cercou o local. O ufólogo reagiu e matou um policial. Virou um tiroteio. Milton William Cooper foi baleado e morreu.
Mas aqueles que acreditam em Cooper dizem que ele nunca liderou milícia alguma e que sua morte foi tramada pelo conglomerado Majestic-Illuminati-maçonaria-sionismo-greys-governo-americano
Embora não existam provas de que as viagens no tempo sejam possíveis — e os Físicos debatam sobre a sua viabilidade —, muitas pessoas estão convencidas de que elas podem acontecer sim.
Alguns indivíduos inclusive garantem que já passaram pela experiência de viver em outras épocas, como é o caso de Alfred Bielek, um norte-americano que disse não só ter passado temporadas no futuro, como revelou ter ido para o passado e que diz ter sido um dos participantes do Experimento Filadélfia (leia-se mais AQUI). Segundo os teóricos da conspiração, durante esse experimento, que aconteceu em outubro de 1943, um time da Marinha dos EUA conseguiu teleportar um destroyer inteiro da Filadélfia, na Pensilvânia, até Norfolk, na Virgínia, e trazê-lo de volta com todos os tripulantes a bordo em uma questão de minutos.
Bielek e seu irmão estariam a bordo do destroyer, o USS Eldridge, e teriam pulado do navio depois de ver os efeitos que o experimento teria provocado na tripulação. E é aqui que a história se torna ainda mais fantástica: segundo Bielek, em vez de cair nas águas do mar, a dupla teria voado através de nuvens estranhas e desmaiado.
Ao despertar, os irmãos se encontravam em um hospital militar se recuperando de queimaduras provocadas pela radiação à qual seus corpos foram submetidos durante o teste, mas, em vez de estarem no ano de 1943, quando o Experimento Filadélfia aconteceu, eles se encontravam no ano de 2137! De acordo com os relatos de Bielek, a dupla permaneceu seis semanas recebendo cuidados até que ele é levado (sozinho) ao ano de 2749 — onde permanece por dois anos.
O dr. Morris Jessup, cientista de renome e PhD em Astrofísica, teria tido conhecimento e/ou participado dessas atividades e sabia-se que era um profundo estudioso do assunto OVNI, interessando-se notadamente pela investigação quanto aos seus misteriosos meios de propulsão. Acreditava firmemente que nossa planeta, em tempos históricos bastante recuados, conhecera certas civilizações que empregavam essas mesmas forças, ligadas aos campos eletromagnéticos. E mais: que essa raça espacial que agora os tripula poderia ter deixado a Terra há milênios!
O dr. Jessup, sempre envolvido com esse intrigante assunto, continuava as suas pesquisas particulares associadas à transferência da matéria para outra dimensão e acreditava convictamente que essa viria a ser uma das maiores descobertas da ciência, se acaso pudesse ser devidamente controlada!
 Passou a receber informações secretas de um tal Carlos Miguel Allende, missivista misterioso que começou a fornecer dados muito preciso com relação aos chamados Discos Voadores e ao projeto Filadélfia. Jessup foi convocado então, de surpresa, para uma entrevista no Escritório de Pesquisas Navais do departamento de Marinha Americano, ocasião em que um livro sobre OVNI que anteriormente publicara e que abordava diversas pesquisas nesse campo, lhe foi apresentado contendo dezenas de anotações manuscritas que diziam respeito ao mistério do Triângulo das Bermudas; uma antiga cultura muito evoluída que habitara a Terra no passado; naves interplanetárias, seus meios de locomoção e até uma guerra espacial que teria devastado antigas civilizações aqui estabelecidas, mencionando ainda certos pontos relativos à interação dos OVNI com o Projeto Filadélfia!
A partir daí, sabe-se que o dr. Morris Jessup teve o seu trabalho, juntamente com as tais anotações (formuladas por alguém não identificado ou talvez técnicos dissidentes do próprio governo!), divulgado secretamente no âmbito da Marinha Americana. Começou então a trabalhar conjuntamente nas atividades secretas e estava a um passo da descoberta dos segredos dos OVNI e, dizia-se, de uma arma que efetivamente conseguisse NEUTRALIZÁ-LOS OU DESTRUÍ-LOS!!!
O certo é que o misterioso missivista que se assinava Carlos Allende foi procurado intensivamente, porém sem sucesso, pelos órgãos de inteligência do Governo Americano, pelo simples fato de ter demonstrado “saber demais” a respeito dos OVNI -seus meios de propulsão, história e até origens- e notadamente quanto ao Projeto Filadélfia. As informações que ele divulgava eram tão precisas que o Governo Americano acreditava tratar-se de um vazamento de informações confidenciais, a partir dos seus próprios registros secretos!
 Jessup, em contrapartida, prosseguia nas suas pesquisas e preparava os originais de um novo livro intitulado The Expanding Case For The UFO e estava até bastante animado com as conclusões a que chegara -segundo comentara com os amigos, pois aparentemente “achara a solução do problema”.
Na noite do dia 20 de abril de 1969, Jessup fora convidado para um jantar na casa do também cientista e pesquisador dos OVNI e demais mistérios do famigerado Triângulo das Bermudas, dr. J. Mason Valentine. porém precisamente às 18:30 horas desse dia uma viatura da polícia encontrou um automóvel estacionado em condições suspeitas no Parque Dady, situado em uma região urbana de Miami.
Curiosamente, o motor estava em funcionamento e os vidros totalmente cerrados. Do cano de escapamento saía, através de uma manobra bastante engenhosa, um grosso tubo flexível de borracha, conectado pelo quebra-ventos ao interior do carro. Lá dentro, num ambiente saturado pelo insidioso, inodoro e extremamente venenoso Monóxido de Carbono (CO2), originário da combustão do motor, jazia o corpo sem vida do dr. Morris Jessup!
O fato foi imediatamente classificado pela polícia e pelos próprios setores governamentais como “suicídio” e apesar de tratar-se de uma morte em circunstâncias evidentemente suspeitas, não foi realizada a necessária autópsia -tendo o corpo sido simplesmente cremado, “segundo era a vontade do falecido”!
Algo que se torna perfeitamente “compreensível”, até mesmo porque essa estória difícil de engolir não chegou a convencer os meios científicos dos quais Jessup fazia parte!
Por outro lado, sabe-se que logo a seguir o escritor James R. Wolfe, levantando os antecedentes e as implicações do caso com o fenômeno OVNI e o chamado Projeto Filadélfia, preparava um trabalho no qual apresentaria as contundentes provas que o dr. Morris Jessup fora na verdade ASSASSINADO!
James Wolfe já trabalhara inclusive para a Marinha Americana e certamente estava sabendo bastante a respeito daquilo que iria publicar. Dizemos isso no verbo passado, pois o escritor jamais chegou a publicar a sua obra, contendo certamente revelações de natureza surpreendente:
Desapareceu por completo, sem deixar vestígios….Juntamente com ela!
Veja mais detalhes em nosso vídeo clicando AQUI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *