Close

sábado, dezembro 5, 2020

Arqueologia misteriosa

 

Clique na foto e assista nosso vídeo exclusivo sobre o tema.

 

João Américo Aeret, famoso indianista, obteve às margens do rio Fresco, no estado do Pará, a narração de um mito fantástico. Segundo narra á mitologia Caiapó, há gerações e gerações, vindo da “Serra proibida de Pukatoti”, apareceu na aldeia pela primeira vez, “Bep-Kororoti”, trajando “Bô”, que o cobria dos pés a cabeça. Trazia também “Kob” – a “barbuna trovejante”.
Segundo a lenda, essa seria uma criatura heroica, que chegou à região montado em uma “estrela” ou “canoa voadora”. Que pousou na cachoeira “Tipótikre”.
Eles contam que garotos encontraram uma criatura no lago. Esse ser tinha a pele clara, era alto, esguio e forte. Ele era “Bep-Kororoti”. O ser lhes falou que ele vinha das “estrelas”, o ser mostrou-lhes sua roupa espacial “Bô” e seu “Kob” arma poderosa, que conseguia partir pedras e árvores com luz, apelidada pelos índios de “barbuna trovejante”.
Assim convencendo os índios que realmente era um visitante do espaço. A partir dai o ser viveu entre os índios na aldeia por muito tempo, melhorando a vida dos indígenas no âmbito social tornando-se quase um mestre na tribo.
Porém ouve um tempo em que “Bep Kororoti” teve uma briga com os indígenas, e então levou sua esposa e filho a cachoeira, e em seguida foram levados ao espaço. Deixando apenas sua filha que estava casada e gravida na tribo.
Mas após varias mudanças climáticas e doenças.
Para salvar a tribo, ela foi até a cachoeira e também retornou ao espaço.
Tempo depois com sua mãe e seus irmãos, voltou com remédios, alimentos e sementes.
E a pedido de “Bep Kororoti” os indígenas foram levados a “Serra Pukatoti” onde havia casas de pedra onde a tribo viveu em prosperidade. Realizando cerimonias de agradecimento trajando roupas feitas de palha e usando uma espingarda para representar o “kop” – “barbuna trovejante” utilizado por “Bep Kororoti”.
Esse conto vindo de gerações traz algumas questões para aqueles que ouvem a história pela primeira vez. Quem era esse ser? De onde ele vinha? Que arma poderosa que conseguia “como um raio, partir pedras e árvores”?
Para a tribo, simplesmente um ser das estrelas que veio e trouxe conhecimento e salvou seus antepassados, que é comemorado até hoje essa aliança entre “Bep-Kororoti” e a tribo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rua Dr. José Afonso de Melo, N° 118, Sala 820 – Jatiúca, Maceió – AL. CEP 57.036-510.

O homem consciente é verdadeiramente livre. Ele sabe que não sabe.

Louis Pauwels

Copyright © 2020. Detetive do Improvável. Todos os direitos reservados.