6 de março de 2020

Os donos da verdade

Clique na foto para assistir nosso vídeo exclusivo.

Por décadas a humanidade vem se dividindo acerca da opinião sobre a existência de discos voadores. As naves misteriosas que cruzam nosso céu diurno ou noturno já colaboraram na criação das mais diversas teorias. Apesar dos céticos sempre  tentarem alguma explicação para provar a total inexistência desse fenômeno, os jamais cessaram ao longo de décadas.

Um OVNI cúbico aparece em VÍDEO feito a partir de cabine de avião, segundo reportagem do site brasileiro Sputnik News. O objeto teira sido avistado nos céus da Colômbia, sendo registrado pelo próprio piloto que teve seu avião seguido e, possivelmente, examinado pelo OVNI. No vídeo, surge algo que parece possuir algum tipo de estrutura metálica, sem sinais de propulsão aparente. Claro que tão logo foi postado por um suposto piloto de avião com o nome de usuário CesarinMP no Tik Tok, os “especialistas” de plantão afirmaram se tratar de um balão meteorológico.

No território americano, um usuário do YouTube sob o nome de UFO Over Vegas também compartilhou um vídeo onde mostra três supostos OVNIS descendo lentamente em uma base da Força Aérea dos EUA próxima de Las Vegas. “O que parecia ser um avião acabou se tornando três belos OVNIs que se aproximaram lentamente da base aérea de Nellis, espalhando-se ao pousar”, afirmou o usuário. Mais uma vez, os “peritos da verdade” afirmaram se tratar de drones. Com certeza, não se considerou o que foi dito pelas testemunhas que afirmaram que os objetos percorreram aproximadamente 80 quilômetros em apenas três minutos, o que indica que supostamente estariam voando a uma velocidade de 1.600 quilômetros por hora, além disso, eles não emitiam qualquer “som”. O leitor pode achar incrível demais o fato de os ditos OVNIS terem sido relacionados a uma base militar americana. Entretanto continuemos…

Ainda em Janeiro de 2020, um clarão misterioso surgiu nos céus de Ohio e, segundo o site do tabloide Express, tal fenômeno pode estar ligado a teste militar secreto. Em mais detalhes, o que se viu foram clarões multicoloridos no céu, nunca visto algo semelhante na redondeza, segundo os moradores locais. O fenômeno se deu na noite do último dia 11 e foi testemunhado por moradores de diferentes localidades do estado americano de Ohio. Inúmeras chamadas da população foram recebidas pela policia, contudo, nem mesmo tal órgão de segurança descobriu a razão do clarão que não era acompanhado por som algum. Segundo matéria do tabloide Express, o ex-militar Tim Walker observou o fenômeno acompanhado por sua filha enquanto levava o lixo, conforme visto nas fotos abaixo publicadas no Twitter da testemunha.

Em meio a esse fatos, o professor antropólogo biológico da Universidade Tecnológica de Montana, em Butte, EUA, Michael Masters, disse publicamente defender que os OVNIs são reais. No entanto, o pesquisador sugere que eles podem estar sendo pilotados por “humanos que viajam no tempo”, e não por seres de outro planeta. Em seu novo livro, Identified Flying Objects: A Multidisciplinary Scientific Approach to the UFO Phenomenon  ou “Objetos Voadores Identificados: Uma Abordagem Científica Multidisciplinar para o Fenômeno OVNI”, Masters ergue o pensamento que os homens do futuro poderiam muito possivelmente ter desenvolvido o conhecimento e os meios técnicos de viajar de volta no tempo para visitar a Terra e sua própria história.Para o autor, essa ideia seria mais plausível do que  a de pilotos alienígenas, e acrescenta que “nós sabemos que estamos aqui. Sabemos que os humanos existem. Sabemos que tivemos uma longa história evolutiva neste planeta. E sabemos que nossa tecnologia vai ser mais avançada no futuro. Acho que a explicação mais simples é que somos nós. Só estou tentando oferecer o que é provavelmente a explicação mais parcimoniosa”. E os velhos “especialistas”? Eles não falham nunca, não é mesmo? O cético de OVNIs, Robert Sheaffer, classificou as idéias do cientista como uma “afirmação altamente duvidosa”. Sheaffer também desvalorizou o livro do antropólogo. Apesar de parecer uma ideia inovadora, para os ufólogos mais tradicionais, a teoria de que os discos voadores são maquinas do tempo feitas por terráqueos do futuro remonta a década de 70.

Há outra ideia que defende que os famigerados OVNIs estão, realmente, sendo pilotados por terráqueos. Muitos dos avistamentos não seriam, pois, de naves extraterrestres, mas sim, de naves ultra-secretas construídas por algumas das superpotências. Juntando as duas teorias, poderia uma explicar a aoutra?  Será que os antepassados das naves-maquinas do tempo são os atuais OVNIs terráqueos ultra-secretos? Uma noticia nos chamou a atenção sobre isso. Seu titulo era: “Trump exibiu ‘OVNI secreto’ a Kim Jong-um, segundo ex-militar norte-americano”. Quem trouxe esse “furo” foi Mike Turber, militar americano aposentado, que aproveito para também classificar o tal ato do presidente americano como uma ”tolice”. Tal atitude traria pouco resultado prático, ao mesmo tempo que revelaria verdades que tem se investido muito nos últimos anos para se ocultar. Ao revelar o tal OVNI secreto americano, Trump também mostraria que ele já sabia da existência de algo do tipo. O militar, que também já trabalhou no serviço de inteligência da Força Aérea Americana, completa ainda, que os EUA pode ter usado um OVNI militar contra a Coreia do Norte. Mais ainda, era do conhecimento do presidente o uso do veículo aéreo, denominado Nimitz, em novembro de 2017 com a intenção de impressionar o líder norte-coreano. Segundo o especialista, os detalhes são “altamente secretos”, mas Kim Jong-un teria sido informado do surgimento da nave onde ele estaria localizado.

“Se ele [Kim Jong-un] conseguiu ver ou não, eu não sei, nem qual foi a reação dele”, relata Turber.

De acordo com Mike Turber, o incidente teve um efeito a curto prazo sobre Kim Jong-un, que decidiu interromper temporariamente os testes de mísseis. É fato que no período do alegado incidente relatado pelo ex-funcionário da inteligência da Força Aérea dos Estados Unidos, Kim Jong-un estava repetidamente conduzindo testes de mísseis, durante o auge das tensões EUA-Coreia do Norte.

Para os pesquisadores do insólitos, desprendidos  de medos e métodos academicistas limitantes em seus dogmas que chegam a assustar o velho tribunal do Santo Ofício, os EUA guardam sim, muitos segredos sobre o presente, o futuro e , em grande quantidade, sobre o passado de nosso planeta. Como donos da verdade, tentam a todo custo moldar uma história oficial baseada em suas vontades e aspirações. Entretanto, vez ou  outra, ele próprios deixam escapar essa teimosa verdade tão difícil de se manter sua prisioneira. Eis que vem à tona FOTO de ‘satélite alienígena’ sobrevoando Terra. A imagem, feita pela Estação Espacial Internacional (EEI), foi avaliada pelo ufólogo Scott C. Waring.

Segundo o tabloide Daily Star, Waring acredita que um objeto de origem não identificada pela agência espacial não seria um simples OVNI, mas se trata do Cavaleiro Negro, um lendário satélite alienígena que estaria observando a Terra há milênios.

 

Como se vê na foto postada no Twitter, o objeto paira sobre o planeta à pequena distância da EEI.

Se você ainda não conhece a respeito do terrível “Cavaleiro Negro”, assista nosso vídeo exclusivo, clicando AQUI.

O mórbido satélite seria uma terrível testemunha de tempos de outrora, parcialmente esquecidos, parcialmente ocultos pelos “Senhores da verdade”. Tempos esses que ainda apresentam resistência em  monumentos antigos que gritam para a humanidade um dia acordar. Esses resquícios de  antigos e sábios povo estariam por toda a parte em nosso pequeno planeta. Vejamos o que mostrou uma foto que apresentaria uma ‘construção babilônica’ na Antártica.

Com o avanço da tecnologia e o maior acesso a informações, muitos céticos afirmaram que os chamados “mitos” do Realismo fantástico seriam destruídos para sempre. Ironicamente, os pesquisadores do insólito apenas ganharam mais instrumentos para ir além das costinhas da grande mídia, e quebrar o monopólio da informação e espalhar a verdade a quem quiser busca-la. Um desses atuais instrumentos é sem duvida o Google Earth que, apesar de ser suspeito em servir a propósitos ocultos, termina por colaborar em algumas pesquisas.

Um Internauta encontrou uma  formação semelhante ao zigurate babilônico em foto da Antártica feita pelo, já citado,  Google Earth, levantando diversas hipóteses sobre sua origem. A estrutura aparenta ser formada por uma muralha de quilômetros coberta por neve e gelo da Antártica. Conforme publicou o tabloide Daily Star, a imagem feita pelo Google Earth mostraria uma espécie de fortificação, com duas estruturas parecidas com pirâmides, segundo o usuário do YouTube MrMBB333.

Em seu vídeo postado na plataforma, o pesquisador diz acreditar que a imagem mostra algo que “foi construído com algum propósito”. Ele também decidiu medir a estrutura reta, dando um total de 370 metros de espessura. Um zigurate babilônico é um templo criado pela civilização suméria há cerca de 6 mil anos e usado por babilônios e assírios em locais onde hoje se encontra o Iraque, ainda na Antiguidade.

Mesmo sendo consideradas apenas fantasias antigas, muitas testemunhas dessa “verdade insistente” conseguiram sobreviver dentro do mundo acadêmico. Um  clássico exemplo seria a do continente de Atlântida. De acordo com o historiador Matthew Sibson, que estuda a história geológica do oceano Atlântico, a cidade afundada poderia estar localizada em uma ilhota rochosa desabitada no Reino Unido.

“Rockall é o local mais provável para Atlântida e há características claras e óbvias feitas pelo homem que não deixam dúvidas de uma civilização antiga perdida”, diz Sibson que acredita que se há algum lugar que se encaixa nas citações do antigo filósofo grego Platão sobre Atlântida, esta área seria a pequena ilha britânica de Rockall, no oceano Atlântico. E acrescenta:

“Platão é explícito que a Atlântida não é uma cidade, mas uma ilha, que leva a outras ilhas, depois ao enorme continente oposto, que só pode ser as Américas. As outras ilhas referidas por ele devem estar situadas entre as Américas e a massa continental afundada de Atlântida, perto da Europa e da África, como Platão diz estar fora dos Pilares de Hércules [penhascos que existem no estreito de Gibraltar]. O único pedaço de crosta continental sob o mar do nosso lado dos Pilares de Hércules é Rockall”, esclareceu. “É por isso que o oceano nesta parte não pode ser navegado ou explorado, devido à grande profundidade de lama causada pelo afundamento da ilha”, destaca.

Além das pedras silenciosas que nos negam seu saber para sempre, poderiam existir testemunhas  desses tempos mágicos ainda vivas e entre nós? A Criptozoologia é o estudo de criaturas que não são aceitas pelos “donos da verdade” e , mesmo assim, insistem em fazer suas aparições a humanidade. O abominável homem das neves, o pé-grande e o monstro de Lock Nes são, por certo, os mais famosos entre todos os existentes. Justamente, um parente desse ultimo parece viver em terras argentinas.

Uma suposta criatura semelhante ao lendário Monstro do Lago Ness apareceu em um vídeo feito no lago Nahuel Huapi na cidade turística argentina de Bariloche. No registro em vídeo é possível ver uma suposta criatura se movendo pela superfície da água. Não se tratou, entretanto, de uma total novidade na região, já  que há muito se falava da lenda do Nahuelito, uma suposta criatura que habitaria no lago de Nahuel Huapi. O primeiro relato a respeito, inclusive,  remonta ainda aos povos indígenas que viviam na Argentina antes mesmo da chegada dos europeus. Porém, o documento que registrou seu primeiro avistamento foi redigido em 1910, quando George Garret, um gerente de uma empresa de navegação, disse que viu a “uns 400 m de distância uma criatura cuja parte visível media entre 5 e 7 m de comprimento e sobressaía uns 2 m por cima da água”. Já em 1960, a Marinha argentina perseguiu no lago um objeto submarino durante 18 dias, mas não conseguiu identificar sua natureza.

Como visto no vídeo publicado no Twitter, o suposto monstro aparenta ter barbatanas semelhantes às de um tubarão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *